"Sic transit gloria mundi" ("Assim passa a glória do mundo") é uma expressão latina muito usado há séculos para destacar quão efêmeras são as coisas mundanas. Nenhum segmento, porém, a descreve tão perfeitamente quanto o mundo dos astros da televisão e do cinema.

Tome-se o exemplo do #Ator Mário Gomes, galã nas década de 1970 e 1980, quando atuou em sucessos globais como Gabriela e Vereda Tropical. Verdadeiro símbolo sexual, viu sua estrela ir se apagando. Atualmente, ele vive de vender sanduíches de hambúrguer na praia, no Rio de Janeiro.

Em 1977, um boato maldoso, que ele atribui ao diretor global Daniel Filho, com cuja mulher, a atriz Betty Faria, teve um caso, contribuiu para ofuscar seu brilho. Um jornal popularesco, o Luta Democrática, publicou uma reportagem dizendo que o galã havia sido internado em um hospital com uma cenoura no ânus.

Publicidade
Publicidade

A insinuação de homossexualidade acabou sendo fatal para a fama do homem que habitava as fantasias das telespectadoras.

Em 1984, depois de enfrentar anos de má vontade na Vênus Platinada (da qual, em uma entrevista de alguns anos atrás, se comparou ter sido o Neymar, o craque inconteste), foi finalmente demitido. A justificativa, com a qual nunca se conformou, foi mau comportamento.

Alguns anos depois, foi chamado de volta para atuar na emissora, onde participou de novelas icônicas como Rainha da Sucata. Infelizmente, a esta altura, como contou em entrevista de divulgação de seu livro há cerca de cinco anos, já tinha aberto uma fábrica de jeans e engravidado uma mulher.

A mulher, ele não amava, e a fábrica foi um fracasso que até hoje o assombra com processos. Mário gomes, hoje com 64 anos, ficou destruído por dentro e disse que era apenas uma sombra do ator que havia sido.

Publicidade

Atualmente, enquanto não volta a gravar o seriado Magnífica 70 exibido pela canal pago HBO, um dos poucos créditos recentes de algum peso em seu currículo como autor, vende sanduíches e batata frita nos fins de semana em uma praia da Zona Sul carioca. Diz que está fazendo uma experiência com a venda dos lanches - pretende investir em um food truck. Além disso, aluga sua casa, que fica perto da praia, para eventos.

Apesar das iniciativas e planos empreendedores, Mário gomes disse ao jornal Extra, do Rio de Janeiro, que não abandonou a carreira artística. Outro ponto de contato com o mundo que o consagrou - e depois o derrubou do pedestal - é seu trabalho voluntário no Retiro dos Artistas, na Zona Oeste da cidade.

Lá, até ajudou os moradores a fazer uma horta comunitária. Chegou a receber, disse ao jornal carioca, um telefonema de congratulações da atriz Fernanda Montenegro por seu gesto humanitário.

Na praia, faz-se acompanhar por seu filho João, de 10 anos de idade, que toca violão. O artista consegue ver até o lado positivo de ainda não ter uma clientela fiel: sobra tempo para aproveitar a beleza do local.

#Famosos