Um #Ator veterano da Rede #Globo, que já realizou inúmeras novelas com papéis de destaque, foi acusado de #Assédio por uma funcionária da emissora. O tal galã que estamos falando é José Mayer que está fazendo o papel de Tião na novela "Lei do Amor". Segundo a funcionária, Mayer teria a insultado e tocado em seu corpo sem permissão, a vítima foi forçada a passar pela situação constrangedora.

Uma outra colaboradora da emissora também já se manifestou contra Mayer, ele teria a agarrado à força dentro do camarim nos estúdios da Globo. Após as acusações, o departamento de Recursos Humanos e artístico foi acionado. A Rede Globo não se manifestou sobre o caso, porém procurada por jornalistas, a emissora afirmou que a relação entre colaboradores e funcionários da Globo é vivida em "harmonia" e entra de acordo com o Código de Ética e Conduta do Grupo, enfatizando que qual desrespeito é intolerado.

Publicidade
Publicidade

Galã de novela

Mayer não estaria mais acreditando que é um "galã" e não estaria se sentindo bonito como antes. A atriz Bruna Hamú, mostrou empolgação em contracenar com o ator na novela, mas Bruna acabou sendo afastada do elenco porque está grávida de seu primeiro filho, algo que prejudicaria o andamento das cenas. Bruna afirmou: "Mesmo o Zé Mayer negando, dizendo que não é mais galã, ele está aí, todo bonitão."

José Mayer também se recusou a usar maquiagem para poder vivenciar um personagem de vinte anos atrás. A novela "Lei do Amor" está dividida em duas partes, o que então seria preciso fazer com que o ator aparentasse ser mais jovem na primeira fase da novela. Mayer até estranhou ter que fazer o mesmo personagem em épocas tão distintas.

Assédio Sexual

As mulheres sofrem frequentemente de assédio, no Carnaval de 2017 não foi diferente, muitos casos foram registrados pela polícia.

Publicidade

Campanhas foram feitas durante as festas para conscientizar as pessoas de que o assédio é crime. Marchinhas de carnaval serviram como incentivo para que as mulheres percam a vergonha e denunciem os crimes. O objetivo das campanhas era dizer "não" e exaltar os direitos da mulheres.