Respeitados e talentosos. É assim que #Taís Araújo e seu esposo, o ator Lázaro Ramos, são conhecidos em todo o Brasil. Contratados da Rede Globo de Televisão, a dupla, certamente, integra o time de personalidades negras mais adorada do território nacional, mas desperta também muita inveja. Nessa semana, os dois foram alvos de um crime bárbaro, após darem uma ampla entrevista para o site da Revista Veja. Na conversa, ambos falavam sobre um assunto simples, o trabalho, mas também de família e sobre o casamento deles, que já dura alguns anos, quando se apaixonaram nos bastidores do mundo da dramaturgia. Leitores da Veja, no entanto, não gostaram de ver a ascensão da dupla e foram às redes sociais criticar os profissionais da dramaturgia.

Publicidade
Publicidade

Tudo porque a publicação exaltava as personalidades conhecidas, dizendo que eles eram exemplos de brasileiros.

A capa trazia o seguinte título para uma ampla matéria sobre o casal de negros famosos: “o casal mais inovador e influente do showbiz brasileiro”. Esse tipo de conteúdo, constantemente, também é feito com casais brancos, como Luciano Huck e Angélica. No entanto, muitas pessoas não gostaram de ver tanto sucesso da dupla e chegaram até a chamar a revista, dita de direita, de estar 'esquerdando', uma referência a ações e pensamentos de esquerda. O casal não se pronunciou sobre os ataques que recebeu, mas é importante dizer que essa é uma ação séria e que necessita ser combatida com rigor. Apenas o trabalho e diálogo do tema na sociedade é capaz de retirar esse preconceito entranhado.

No ano passado, muitas outras celebridades foram vítimas de racismo, como a garota do tempo do 'Jornal Nacional', Maria Júlia Coutinho.

Publicidade

Outra que também foi atacada nas redes sociais foi a atriz Sheron Menezes. Nada causou mais repúdio, no entanto, do que um ataque à filha do ator Bruno Gagliasso, a pequena Tite. O ator chegou a abrir um registro de ocorrência sobre o caso e pessoas foram encontradas. Descobriu-se que as mensagens racistas eram escritas por uma criança negra e pobre.