O Padre Fábio de Melo é uma das figuras mais conhecidas da mídia. Católico, o pároco faz muito mais do que celebrar missas e casamentos. Ele canta, agita multidões em suas apresentações e outros muitos milhares através das redes sociais. Na madrugada deste domingo, 19, no entanto, o religioso utilizou as redes sociais para denunciar um crime grave. Uma pessoa, sem autorização, está usando seu nome para ganhar dinheiro. A pessoa finge ser ele online e vende de tudo. Tal ação pode ser catalogada como o crime de falsidade ideológica. Inicialmente, o religioso ficou surpreso com o fato de alguém estar usando seu nome para vender as mais diversas coisas, mas agora pede socorro aos próprios seguidores, a fim de que eles denunciem tal perfil, e é claro, não comprem os produtos anunciados ali.

Publicidade
Publicidade

A página fake com o nome do padre tem mais de 774 mil seguidores. O número é alto e, certamente, por conta disso, a pessoa por trás do perfil deve estar tendo lucros interessantes. O perfil verdadeiro do Padre Fábio de Melo tem 3,7 milhões de seguidores na rede social de fotos. Ele ainda é ativo no Twitter. Em todas as redes sociais existe um selo azul, no qual o internauta pode verificar se o perfil que segue é ou não verdadeiro. Muitas páginas são criadas dedicando-se como fãs de famosos. No entanto, mais tarde, elas acabam dando um jeito de burlar as regras e fazer postagens que parecem feitas pela própria pessoa retratada.

"Internet não é mais um território sem lei. Se a conduta não for mudada nós teremos de acionar o querido Jorge Lordello, nosso especialista em segurança.

Publicidade

Enquanto isso, por gentileza, avisem aos que não sabem", disse o religioso, que ainda citou a escritora Clarice Linspector, revelando que tal ação é de cair os olhos. Segundo o Padre Fábio de Melo, o perfil fake vende de tudo, como roupas, calçados e recomenda atém marcas importantes.

Na sua opinião, o pároco deve levar o caso à justiça? Deixe o seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante para todos nós. #Família #Religião