O Pastor Silas Malafaia abriu guerra contra a Disney e nesta quinta-feira (2) o religioso postou um vídeo em seu canal no YouTube, conclamando a população evangélica e católica para boicotar a empresa pela exibição do primeiro desenho mostrando um beijo gay. A Disney também anunciou nesta quarta-feira (1) que vem aí a nova versão da "Bela e a Fera", com algumas passagens exclusivamente gays. Malafaia lamenta a postura da empresa, que chamou de "asquerosa" e "nojenta" por decidir apoiar a causa gay mostrando o 'homossexualismo' nos filmes e #Desenhos para crianças. O beijo homoafetivo se passa na série da Disney "Star Vs. As forças do mal", entre dois homens adultos.

Publicidade
Publicidade

Para o líder da Assembléia de Deus Vitória em Cristo, não tem coisa mais nojenta e asquerosa do que tentar se erotizar crianças. Além do mais, esclarece que existem leis para proibir esse tipo de material indevido a menores de idade. Malafaia ainda cita a Constituição Brasileira, o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e a Declaração Universal dos Direitos Humanos. "É uma covardia pular etapas", argumentou e defende que criança tem que viver sua infância inocente, pois não tem condições de diferenciar. "Homossexualismo é comportamento", destacou o pastor.

Apesar de reconhecer que a empresa tem o direito de conduzir suas produções da maneira que quiser, pediu que os pais não adquiram materiais, nem assinem canais da Disney, como forma de mostrar que o futuro das crianças está em jogo.

Publicidade

E conclui dizendo que só vão tomar providências quando doer no bolso deles. No Twitter, essa guerra também rendeu comentários: o perfil da atriz Vera Holtz com mais de 60 mil seguidores imediatamente posicionou-se contra as críticas de Malafaia ao desenho. "Safadeza não é beijo gay, pastor. Safadeza é fazer lavagem de dinheiro", em referência ao indiciamento do evangélico que irá depor sob suspeita de lavagem de dinheiro.

Essa não é a primeira vez que o religioso comanda um boicote. No ano passado ele tentou boicotar o Boticário por exibição de comerciais com tema gay. #sexualidade #Homofobia