Uma jornada de uma semana pelo oceano. Essa é a história do novo documentário do diretor Ian Cheney com músico Jack Johnson, que aborda o tema da poluição plástica nos mares.

O cientista marítimo Marcus Erikson convidou um grupo formado por pesquisadores, ativistas, surfistas experientes, além do próprio Jack Johnson para uma viagem de uma semana pelos mares do Sargaços, no Atlântico Norte, afim de conferir de perto a situação dos mares, contaminado por plásticos despejados.

Uma das primeiras atividades dos tripulantes é a de recolher o lixo presente na superfície da água. E o resultado é impressionante: plástico por todas as partes (nem sempre visíveis) e em partículas pequenas, que são incorporadas no meio ambiente.

Publicidade
Publicidade

"Essas partículas são tão pequenas que podem ser confundidas por larvas de peixes (..). Os animais não sabem ver a diferença", conta uma das tripulantes, preocupada com o perigo que isso oferece ao meio ambiente.

Restos de produtos, garrafas de plásticos e partículas encontradas no estômago de peixes são exemplos frequentes do que acontece. Atualmente, cerca de 8 milhões de toneladas de lixos plásticos são lançadas nos mares por ano. A estimativa é que a quantidade chegue a 17,5 milhões até 2025, o que significa que 155 milhões de toneladas ainda chegarão aos oceanos (BBC).

Com o intuito de alertar a população, o documentário também mostra um pouco da relação dos tripulantes com o mar. "Eu fico realmente triste com o que acontece. Ver o quanto é global o problema da poluição plástica parte o meu coração.

Publicidade

Eu não saio muito da minha ilha, mas ver daqui, dias e dias longe da orla, tudo isso.. Estamos vendo apenas a superfície. É assustador imaginar o que tem mais embaixo", diz surfista Mark Cunningham em trecho do filme.

Jack Johnson mostra um lado mais emotivo. "O mar é tudo para a nossa família. É onde passei a maior parte do tempo. É para onde levamos as crianças para se divertir, ou quando os amigos estão aqui para nos visitar. É também onde me sinto perto do meu pai, que já se foi. É um lugar espiritual para mim (...)

"Como cultura estamos acostumados a ter todos os plásticos. Se entendêssemos as ramificações e os impactos que eles têm, iríamos começar a nos perguntar sobre nossa "aceitação cega" sobre o desperdício (...) Isso é um problema que podemos resolver", conta Matt Prindiville, diretor da organização Upstream e participante da expedição.

Com duração de meia hora, o documentário está disponível online no site próprio do filme e no YouTube.

#jackjohnson #smogofthesea #documentario2017