Um dos crimes que mais marcaram o país foi o assassinato da atriz Daniella Perez, filha da autora Glória Perez, em 1992. O #Crime é lembrado até hoje e Glória trabalha para manter a memória da filha viva e também para evitar que outras mulheres sofram o mesmo que Daniella sofreu. A atriz foi morta quando estava no elenco da novela 'De Corpo e Alma', escrita pela mãe. O seu assassinato foi cometido por um dos atores do folhetim da TV Globo, Guilherme de Pádua.

Vinte e cinto anos depois, Guilherme está solto e diz que seu objetivo é viver e ser feliz. Recentemente se casou com uma maquiadora. A mulher, identificada como Juliana de Pádua Lacerda, tem trinta anos e é a terceira esposa do homem que, após o crime, garante que mudou e acabou largando a dramaturgia.

Publicidade
Publicidade

Em entrevista ao site da Revista Veja, Juliana conta como é ser casada com um homem odiado pelo país. De acordo com ela, Guilherme aprendeu com os erros e hoje é um cara bom. Os dois se conheceram no ano de 2015, quando faziam um trabalho voluntário em uma igreja do estado de Minas Gerais, na comunidade Batista da Lagoinha. A igreja faz um trabalho importante com presidiários e o principal objetivo é tirar as pessoas da marginalidade, dando opções para que possam seguir com suas vidas.

Guilherme já estava no grupo desde que saiu da cadeia, ainda no ano de 1999, já sua esposa entrou há três anos. Ela garante que sabia que era amor desde o primeiro contato, mas tentava lidar de maneira tranquila com a situação, procurando apenas passar fraternidade. A maquiadora garante que Pádua é um homem muito simpático, carinhoso e carismático e que, por isso, acabou ficando encantada por ele.

Publicidade

Guilherme, segundo sua terceira esposa, é um homem cheio de qualidades e o perfil que ela desenha em nada se parece com o do crime que marcou o país há vinte e cinco anos.

Durante o namoro, Juliana revela que ficou muito inquieta e que seu marido questionava porque ela tinha tanta vontade de se casar com ele. Foi ela quem instigou o casamento. Guilherme não aceitava muito bem a ideia e falava que casar, aos olhos de Deus, era algo muito sério. Como era o terceiro casamento dele, a igreja precisaria dar um consentimento e foi isso o que aconteceu. Em um determinado dia, ele apareceu e pediu a sua mão, para sua grande surpresa e alegria. Eles se casaram no dia 15 do mês passado no civil, mas não estão morando na mesma residência, já que o casamento no religioso está previsto para o dia 12 de maio.

Segundo a esposa de primeira viagem, existe muito preconceito com o que aconteceu no passado. "Costumam se fixar no que aconteceu, ficar só naquela história, e não procuram compreender que ele se transformou: estou me casando com o Guilherme de Pádua atual, não com o do passado”, garantiu.