Leo Dias, atualmente o maior colunista de celebridades do Brasil, que trabalha, entre outros locais no jornal O Dia, entrevistou, na manhã desta terça-feira, 18, Viviane Costa, delegada titular da DEAM de Jacarepaguá. A delegada especializada no atendimento à mulher falou sobre o que era possível acerca do caso de Marcos Harter e Emilly, o caso de violência contra a mulher mais comentado em todo o Brasil.

Publicidade

Marcos, médico-cirurgião e ex-#bbb17, foi acusado de agredir sua namorada Emilly Araújo dentro das dependências da casa mais vigiada do Brasil.

Publicidade

Os dois mantinham um relacionamento conturbado no BBB17 e o caso gerou a expulsão do brother da casa, logo após constatadas as agressões com marcas físicas na sister.

A delegada, na entrevista, explicou que o inquérito foi instaurado na última segunda-feira. Mesmo sem a denúncia da vítima, como se trata de lesão corporal, qualquer pessoa pode denunciar, mesmo sem anuência da vítima. Nesses casos de lesão corporal, a vítima não tem a prerrogativa de denunciar ou não. O objetivo é justamente protegê-la de possíveis coações.

A delegada também reforçou que, quando uma autoridade policial toma conhecimento de uma violência doméstica, tem o dever de investigar o caso. Ela explicou que é muito comum tomar conhecimento de casos por meio do 'Disque Denúncia'. Após a #Polícia tomar conhecimento, uma viatura vai até o local e, constatada a violência, o processo passa a virar inquérito e segue até a Justiça, no caso de provas consistentes.

Sobre o caso do BBB17, as denúncias chegaram pela internet.

Publicidade

Afirmou que nem mesmo assiste ao programa, mas com as várias denúncias por redes sociais, decidiu analisar os vídeos e, de pronto, identificou uma possível agressão física com lesão corporal. E esclarece que se houver lesão corporal comprovada, mesmo que Emilly não queira, Marcos vira réu.

Quando perguntada qual a gravidade da lesão identificada em Emilly, ela explicou que o Código Penal define a lesão como leve, grave, gravíssima ou lesão corporal seguida de morte. Apenas um laudo do IML pode afirmar que a profundidade da lesão. O documento ainda não foi liberado. Mesmo com o médico da Globo analisando e constatando possível agressão, só o laudo oficial servirá como prova. A pena para lesão corporal é de três meses a três anos.

A última pergunta de Leo foi com relação ao depoimento de cada um deles (#Emilly e Marcos). A delegada esclareceu que não pode dar detalhes na fase de apuração, mas disse que só vai analisar os depoimentos depois da coleta integral de provas, e que os dois se emocionaram em suas oitivas.

Por fim, a delegada ressaltou que tem sido especulado que Emilly acusou ou inocentou Marcos. O processo em sua fase de inquérito não permite que sejam divulgadas tais informações e a divulgação de notícia falsa atribuída a Delegada será passível de sanções penais.