A atriz Mônica Iozi também se manifestou em relação às acusações de agressão praticada pelo cirurgião Marcos Harter contra Emilly Araújo durante o programa Big Brother Brasil 17, na Rede Globo. Em sua fanpage, ela mostrou indignação com o fato e destacou a influência machista em que uma mulher precisa ser avisada pela polícia que estava sofrendo uma agressão.

Mônica Iozi desabafa e critica o que considera o ambiente machista em que as mulheres são criadas. Também chama a atenção para o fato de a mulher se sentir culpada por ter sido agredida.

Expulso do BBB17

O brother Marcos Harter foi expulso do programa pela propria Globo. Ele agrediu a participante Emily Araújo.

Publicidade
Publicidade

Imagens de uma discussão entre os dois, além dos diálogos, indicam uma agressão física. Emilly chegou a ser examinada por médicos da emissora para avaliar as marcas de agressão pelo corpo.

Marcos foi retirado da Casa do BBB e o fato provocou comentários de Iozi publicados em sua fanpage:

Somos criadas num ambiente tão machista, que a polícia teve que avisá-la que ela havia sofrido uma agressão. E ainda se sente culpada. Deus!

Mônica Iozi também manifesta apoio ao movimento “mexeucomumamexeucomtodas”, pelo Facebook. A atriz ressalta que deve ser repudiado todo tipo de #Violência contra a mulher, não só a física e psicológica. Para ela, a agressão também é executada por meio de palavras, atitudes e manipulações que tem o objetivo de ferir a dignidade pessoal.

A atriz classificou de truculentas e violentas as atitudes de Marcos Harter contra Emilly Araújo.

Publicidade

Citando a lei Maria da Penha, Mônica frisa bem que a tortura psicológica é violência doméstica.

Caso de polícia

As imagens da discussão entre o cirurgião Marcos Harter e Emilly Araújo no Big Brother Brasil 17 serviram de prova para que a delegada Márcia Noeli Barreto, diretora da Divisão de Polícia de Atendimento a Mulher do Rio (DEAM), fizesse o registro da ocorrência. Segundo o jornal Extra, a diretora teria dito que este caso não pode ficar sem ser apurado.

Ainda segundo a imprensa, a polícia carioca teria ido ao estúdio da Globo para ouvir o cirurgião.

A diretora da DEAM solicitou os vídeos em que Marcos discute com Emilly. Ela disse que as provas serão encaminhadas ao juiz. Mesmo que Emilly se recuse a dar queixa contra o cirurgião, um processo pode ser instaurado contra Marcos por crime contra a mulher. A pena pode ser de 1 a 3 anos de prisão. O inquérito já foi instaurado. #BBB Big Brother Brasil #Monica Iozzi