Neste domingo, 9, o 'Big Brother Brasil', mais uma vez, exibiu o destempero do casal formado por Marcos e Emilly. O médico, no paredão, não para de surtar e o relacionamento dele com a sister já é considerado abusivo. Nas últimas vinte e quatro horas, o público viu o médico agarrar à força à namorada, a encurralar em uma paredão, botar o dedo em sua cara, dar beliscões e a ofender de tudo quanto é nome. A situação ficou tão grave que os próprios parentes dos confinados entraram em contato com a produção. Parentes de Ieda, por exemplo, ameaçaram entrar com uma ação judicial contra o BBB 17, caso a Globo não tirasse a sister da casa.

O motivo? Marcos tomava atitudes sem explicação, sem nexo.

Publicidade
Publicidade

Não é a primeira vez que isso ocorre no programa. A Globo teve a oportunidade de fazer bonito. Mais do que um milhão e meio de reais, a emissora tem uma imagem a zelar e não o fez. Na semana em que botou banca e leu uma enorme banca contra o ator José Mayer, o canal argumentou que não expulsou Marcos, pois Emilly não quis. "Mas estamos atentos e caso Emilly reclame de algo iremos agir", garantiu Tiago Leifert, muito consternado e não entendendo o que faz o público gostar tanto de um casal, que beira ao doentio.

Faltou pulso!

A Globo, ao não eliminar Marcos, dá um recado à impunidade. Não vale tudo por um milhão e meio de reais. Não vale colocar uma mulher em perigo, não vale manipular pessoas. Nem Marcos, nem Emilly merecem ganhar o programa, mas, certamente, um dos dois vai levar o troféu.

Publicidade

Tirar o médico, pelo menos, limpava a barra do canal, que viu suas funcionárias fazerem campanha contra José Mayer. A campanha 'Mexeu com uma, Mexeu com todas' mobilizou o Projac.

Que voto vale o de um fanático?

Não são telespectadores que gostam dos dois, são fanáticos. Certamente, telespectadores que veem um programa como o de hoje não dariam o prêmio para Marcos ou Emilly, mas um grupo de fãs, formado por algumas milhares de pessoas sim. Isso é perigoso. Corre-se o perigo de um agressor ser aplaudido pela maldade, por atos cruéis, situações que ninguém gosta de ver.

Emilly não é uma pessoa fácil, mas não merece ser agredida da forma como está sendo. O BBB 17, como disse Sônia Abrão, infelizmente, virou uma 'vergonha nacional'. Muita gente argumenta que o brasileiro não sabe votar, mas essa votação, é melhor acreditar, não reflete o verdadeiro caráter do povo brasileiro. Do contrário, haja encrenca, estamos perdidos de vez! #BBB Big Brother Brasil