A expulsão do brother Marcos do Big Brother Brasil 2017 (BBB 17), mais conhecido como a casa mais vigiada do país, causou comoção nacional. Muitas pessoas se mostraram a favor de sua saída, que foi movimentada através de um pedido da titular da Delegacia da Mulher de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Outras, no entanto, disseram que foi uma injustiça a expulsão do médico cirurgião plástico, acusado de agredir a namorada dentro do programa e tudo foi exibido para que todos vissem.

Uma das pessoas que não concorda com a expulsão de #Marcos foi, surpreendentemente, um dos vencedores do Big Brother Brasil. Kléber Bambam ganhou a primeira versão do programa, quando foi exibido há mais de 17 anos na TV Globo.

Publicidade
Publicidade

Ele deu entrevista para um programa de rádio na última terça-feira e disse tudo o que pensa sobre a saída forçada de Marcos da casa. Segundo o portal Jovem Pam FM, que faz parte do grupo de comunicação para o qual Bambam deu entrevista, o ganhador do primeiro prêmio discorda da decisão da Justiça e acha que #Emilly tem sua "parcela de culpa" em toda a história. Também foram chamados para conversar sobre o tema no programa "Pânico na Rádio" a psicóloga Nina Taboada e o advogado Marcos Bernardini.

Bambam foi um dos primeiros a falar sobre a discussão a respeito da expulsão de Marcos. Ele acredita que as atitudes dentro do programa não podem gerar julgamento contra o médico.

"É muita pressão. Entendo ele ter ficado daquele jeito e acho que ele não agrediu [a Emilly]. Ela tentou ele, mas ele não ia bater nela", opinou o vencedor do BBB 1.

Publicidade

Bambam é lembrado até hoje por ter se "apaixonado" por uma boneca feita de materiais recicláveis na reta final do programa em que participou. A história dele e de Maria Eugênia é lembrada até hoje com humor por quem conhece o BBB bem.

Bambam continuou seu relato opinativo sobre a saída de Marcos, dizendo que há uma manipulação do "jogo" que envolve o programa. O ex-brother confessou para os ouvintes da rádio que os produtores da Globo criam situações para colocar os confinados em brigas e polêmicas que irão trazer audiência para o programa.

"Foi a situação. Ele não pode ser julgado por ser agressivo porque é um jogo e isso justifica", revelou.

Kléber Bambam também contou memórias do tempo em que esteve dentro da casa mais vigiada do Brasil. Na 13ª edição, ele chegou a participar novamente do programa, porém, desistiu do prêmio e foi embora no meio de tudo.

De acordo com o rapaz, ele foi pressionado, mas não cedeu. Bambam falou que não sentiu vontade em bater em ninguém e que não precisava de prêmio algum para aguentar viver sob pressão. #BBB Big Brother Brasil