Nesta quarta-feira, 12, Marcos Harter, médico expulso do BBB 17 por uma suposta agressão, esteve na DEAM (Delegacia de Atendimento à Mulher), em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Ele esteve no local para explicar o porquê de seu comportamento e contou toda a sua verdade sobre os acontecimentos que envolvem à "namorada", Emilly. O ex-participante teve o apoio da Globo na chegada à delegacia. Ele foi ao local com um van. Harter estava muito bem arrumado, utilizando uma roupa social. Ele chegou com três seguranças da emissora e também sua irmã, Caroline. Marcos foi ouvido pela delegada Viviane Costa. Ela já havia virado notícia, quando decidiu entrar na casa do BBB para conversar com Emilly.

Na ocasião em que Viviane esteve na casa, ela pediu à jovem que mostrasse seu braço para um perito da Polícia Civil e também para um médico do programa.

Publicidade
Publicidade

Em seguida, Marcos foi chamado ao confessionário e expulso do programa. Ao chegar à delegacia, Marcos não quis falar com os jornalistas. Em uma carta aberta ao público, o ex-BBB garante que nunca quis agredir Emilly e que todas as atitudes que tomou foi por conta da pressão do jogo. De qualquer forma, ele se desculpou com todos pelas atitudes tomadas. Além da violência física, Marcos pode ser acusado de violência psicológica. Ambos os casos se enquadram na chamada Lei Maria da Penha.

A lei prevê que o condenado fique preso de um a três anos em regime de reclusão, ou seja, sem sair da cadeia. Mesmo que Emilly diga que não foi agredida, como existe um vídeo mostrando os atos de Marcos, a polícia pode entender que o caso tem que ser enviado à justiça e, posteriormente, caso aceito, julgado.

Publicidade

Emilly vai à delegacia na segunda-feira.

Repercussão online sobre o caso na internet

O assunto rendeu nas redes sociais. "Acho que a delegada que foi à Globo, quer seus minutos de fama. Atitude ridícula. O aperto na mão foi a agressão? Agressão verbal ocorre em todas as edições e nunca virou este circo", disse uma internauta mulher, surpreendendo e criticando até à polícia, por apenas tentar fazer o seu trabalho. "Outra coisa há de se considerar: tudo isso faz parte de um jogo. Por outro lado, a menina, por ser tão jovem, é normal dizer que estaria machucando o pulso dela, mesmo se não fosse tão grave, e isso, para mim, não seria agressão", concluiu outro internauta, que não acredita que Marcos tenha que pagar pelo o que houve dentro de um programa e na briga por um milhão e meio de reais. #BBB Big Brother Brasil