Fazer uma novela não é fácil. De uns tempos para cá, a Rede Globo de Televisão, ao final de cada capítulo, exibe uma enorme mensagem dizendo que a obra ali apresentada não tem qualquer compromisso com a ficção. Mesmo assim, não é de bom tom, por exemplo, fazer uma cena que se passa em São Paulo e deixar escapar a estátua do Cristo Redentor, por exemplo. Na novela 'A Força do Querer', por exemplo, existe uma comunidade fictícia, chamada 'Parazinho'. Apesar do nome, a Globo garante que em nada ela tem a ver com Belém e com o Pará, mesmo que na trama o público veja diversas situações que lembrem a região, como referências históricas e folclóricas.

Os moradores de Belém não estão muito felizes com o que veem na novela global.

Publicidade
Publicidade

As reclamações se tornaram protestos oficiais e forma parar nas redes sociais, até mesmo nos perfis da autora da trama, Glória Perez. Eles não gostaram de quase nada para falar a verdade. Para eles, o sotaque dos personagens é errado, o tema da região na novela é um forró, quando o ritmo local é mais para o tecnobrega e, por fim, a novela deixa claro que o tanque da Sereia, personagem de Isis Valverde, fica no mercado Ver-o-Peso, que existe na vida real, mas que não tem nenhum tanque por lá. Para eles, tantas referências erradas e perdidas confundem o turista. É de se pensar que muita gente assista a novela e que quando chegar ao mercado Ver-o-Peso vai estranhar o fato de lá não existir nenhuma mulher vestida de sereia.

O professor e pesquisados sobre a história do Pará, João de Jesus, deu uma entrevista ao jornal 'Folha de São Paulo', na qual revelou que os capítulos que mais geram polêmicas e revolta é o que se passam no famoso mercado do estado.

Publicidade

No geral, os moradores que por ali trafegam dizem claramente que não se reconhecem ao assistir os episódios. O Pesquisador lembra que apesar da novela não se propôr a ser real, não se coloca o Pão de Açúcar ao lado das Cordilheira dos Andes. Isso confunde as pessoas e provoca prejuízos longos, já que #Novelas são exibidas e repetidas.

Uma boa solução seria que nada na novela se passasse no mundo real, aí não teria qualquer referência com a verdade. A Globo nega que exista o compromisso da história de se passar na realidade. Segundo ela, Parazinho não necessariamente se passa em Belém. Oi? Além disso, a emissora diz que a música tema principal da Sereia é de Roberto Carlos e não um forró, mas que existem músicas auxiliares na trama. A resposta não resolveu muito a polêmica e na internet foi criticada.