Neymar é um jogador muito famoso no Brasil e no mundo. Atualmente, ele namora a atriz da Rede Globo de Televisão Bruna Marquezine. Ela, certamente, deve estar atenta a tudo o que acontece na vida do namorado, especialmente diante de todos os problemas judiciais que o atleta do Barcelona está tendo com o fisco da Espanha, país me que vive hoje. Nesta quinta-feira, 4, o jornal 'Folha de São Paulo', revelou que dois dias antes a justiça da Espanha condenou #Neymar e o Santos Futebol Clube por sua transferência para o país das touradas e onde o jogador atua ao lado do argentino Lionel Messi, ex-melhor do mundo.

O processo foi movido pelo grupo DIS, que se sentiu lesado com a operação internacional.

Publicidade
Publicidade

O Santos foi condenado, em uma ação assinada pelo juiz Jose de la Mata, a pagar cerca de R$ 15 milhões de multa. O atleta recebeu uma punição bem menor, avaliada em R$ 719 mil, o que para o esportista não deve ser um grande problema, já que ele tem diversos contratos de publicidade milionários. A multa, no entanto, não interrompe o processo. O juiz revela que haverá sim um julgamento diante das acusações de fraude à Receita Federal da Espanha. A troca de clubes de Neymar aconteceu no ano de 2013 e deu o que falar, já que outros clubes também negociaram com o ex-Santos. O Barcelona, segundo informações da 'Folha de São Paulo', também terá que pagar uma multa para se defender do caso. O clube terá que desembolsar a mesma quantia que o Santos, os R$ 15 milhões.

O executivo executivo do fundo de investimentos DIS Roberto Moreira comentou o caso em entrevista ao portal de notícias IG.

Publicidade

De acordo com ele, o namorado de Bruna Marquezine pode ser preso a qualquer momento. O grupo pede que Neymar pegue cinco anos de cadeia por ter aceito o suposto esquema fraudulento. A empresa, além da prisão, pede que a justiça da Espanha impossibilite o astro da bola de atuar durante os cinco anos em que estivesse pagando a sua pena.

Na época da venda, o valor dito como de venda para o atleta foi de 17 milhões de euros. No entanto, o Barcelona teria pago 40 milhões de euros por fora, o que é visto como proibido. O Grupo DIS, que tinha direitos no passe do jogador, não teria recebido a quantia dada por fora e, sentindo-se lesado, decidiu jogar tudo no ventilador e pedir que a Receita Federal da Espanha fizesse uma reanalise das contas do atleta e desse contrato. A partir daí, começou o processo, que pode terminar mal para o jogador.