Uma das mais polêmicas vencedoras do reality show Big Brother Brasil, #Emilly Araújo tem um passado oculto que pouca gente conhece. Durante o programa, ela sempre disse vir de origem humilde, mas em suas redes sociais sempre haviam fotos que insistiam em negar isso. Roupas caras e viagens importantes. A moça, que era estudante até entrar no #bbb17, também reforçava que havia perdido tudo numa enchente em sua cidade e pretendia ganhar o BBB para, dentre várias coisas, ajudar as vítimas da enchente. Mas pouca gente sabia que, dias antes de entrar na casa, a gaúcha perdeu a mãe devido ao câncer.

Emilly havia sido acusada, quando ainda no programa, de ter vergonha da mãe e chamá-la de empregada.

Publicidade
Publicidade

Mas este fato ficou só no campo da acusação de algumas pessoas que moravam próximas a gata.

Agora o que vem à tona, baseado na apuração do programa de fofocas do SBT, o 'Fofocalizando', apresentado por Leão Lobo, Mara Maravilha, Décio Piccinini e Mama Brusqueta, com participações especiais de Leo Dias, é que existe uma tia da ex-BBB que passaria necessidades. Ainda segundo o programa, que foi atrás da senhora que mora no estado do Rio Grande do Sul, para pegar seu testemunho, conforme relatado por essa tia, Emilly chegou a convidá-la para fazer faxinas em sua casa. Mas a senhora disse que as duas (Emilly e Mayla Araújo) são uns amores de pessoas e que mesmo dentro de suas necessidades não deve, neste momento, pedir ajuda para as sobrinhas. Ela espera que Deus toque os seus corações e que elas a ajudem de bom grado.

Publicidade

Também tem um ponto não revelado pela gata durante o reality, mas que também não ficou alheio aos olhos dos fofoqueiros de plantão. Uma das #irmãs, a mais velha, das gêmeas gaúchas, Karine de Araújo Corrêa, chegou a ser presa numa grande operação no estado do Rio Grande do Sul que prendeu uma enorme quadrilha especializada em roubo de malotes e de clientes que usavam dinheiro na boca do caixa, a popular 'saidinha de banco'.

A Operação Caravaggio, que foi deflagrada na época pela Delegacia de Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) do RS, prendeu cerca de 30 pessoas, entre elas Karine, que na época era menor de idade. A acusação que recaiu sobre a irmã na época eram os crimes análogos à formação de quadrilha, furto e roubo.

Na internet as opiniões eram basicamente críticas a campeã. Na página do TV Foco, um internauta tratou de lembrar que ela havia prometido ajudar as vítimas da enchente que ela tanto falou no programa. Outros criticaram o fato de Emilly ainda ser notícia e outro invocou até Bolsonaro, no caso de polícia da família.

E qual a sua opinião?