Nesta última quinta-feira, 18, o ator e apresentador da Rede Globo, Marcio Garcia, usou seu perfil nas redes sociais para demonstrar seu descontentamento com a política do país.

Ele, que devido ao sucesso de sua carreira, prestou apoio e influenciou diretamente diversos brasileiros a darem um voto de confiança ao candidato do PSDB, #Aécio Neves, durante sua campanha presidencial, vem se sentindo lesado, enganado e envergonhado pelo apoio dado ao candidato, que atualmente está entre os mais citados na Operação #Lava Jato, que visa investigar o recebimento de propinas e caixas dois durante as #Eleições em troca de favores políticos à empresas privadas prestadoras de serviços.

Publicidade
Publicidade

Indignado com o escândalo no qual o candidato se encontra envolvido, Marcio declarou publicamente em sua conta no Instagram: ''Só agora minha ficha caiu! E a minha sensação é: rasgaram o nosso país!!! Que vergonha pra todos nós. Acho que neste momento não há um único brasileiro orgulhoso, muito menos do seu voto pra presidente! Me incluo em primeiríssimo lugar! Não existe um eleitor no Brasil, que não esteja decepcionado com o seu "candidato". Fomos todos enganados, iludidos por falsos discursos moralistas, apertos de "mãos grandes" e promessas vazias. A única coisa que nos resta agora é clamar por Justiça. Que ela faça bem a sua parte e prenda TODOS os corruptos deste país. Sem exceção. Doa a quem doer. Eu quero um país descente pros meus filhos viverem. Com ensino público de qualidade, com emprego, com seguranca, com uma saude pública com o mínimo de eficiência.

Publicidade

Chega de roubalheira!! Chega de esquema!! Chega de jeitinho brasileiro!!! (sic).

Aécio Neves, que esteve à frente do governo de Minas Gerais entre 1º de janeiro de 2003 e 31 de março de 2010, quando foi eleito o senador com maior número de votos do estado no mesmo ano. Em 2013, foi escolhido para ocupar o cargo mais alto do PSDB, se firmando como presidente nacional do Partido da Social Democracia Brasileira. Muito bem aceito pelos companheiros de tribuna e de partido, bem como pelos milhares de eleitores que o colocaram à frente de Minas Gerais por dois mandatos consecutivos, Aécio foi escolhido como o candidato do PSDB ao cargo de presidente da República em 2014.

Concorrendo a vaga com a candidata à reeleição, Dilma Rousseff, do PT, e os candidatos Marina Silva do PSB, Luciana Genro do PSOL, Pastor Everaldo do PSC, Eduardo Jorge do PV e Levy Fidelix do PRTB, Aécio obteve 33,53% dos votos válidos, disputando assim o segundo turno da eleição com Dilma.