Elizângela é um dos nomes mais conhecidos da dramaturgia brasileira. A atriz está há mais de trinta anos fazendo sucesso na telinha. O seu primeiro trabalho foi em 1966 no programa 'Capitão Furacão'. Só daí são mais de cinquenta anos de trabalho, a maior deles na Rede Globo de Televisão. O que muita gente não entende é porque #Elizângela não usa um sobrenome, como chega a ser comum entre as celebridades. Em recente entrevista ao programa 'Vídeo Show, da Rede Globo de Televisão, ela contou o porquê da opção de usar apenas o seu primeiro nome e enfim acabou com todo mistério diante desse assunto. A dúvida intriga os fãs há anos.

Moacyr Deriquém, um dos diretores do departamento de elenco da Globo, quando ela começou na emissora, a chamou e conversou com ela e sua mãe.

Publicidade
Publicidade

Nessa época, a atriz era apresentadora e usava o seu sobrenome para as participações. O Vergueiro era utilizado, mas não alegrava tanto o diretor de elenco da época. Foi então que ele deu um conselho à sua família. "Ele chegou pra minha mãe e falou: ‘Olha, o nome dela já é diferente e é um nome longo. Tira o Vergueiro e deixa só o Elizangela’”, revelou ela ao apresentador Otaviano Costa, que agora faz o 'Vídeo Show' ao lado de Sophia Abrão e do ator Joaquim Lopez.

Atualmente, a atriz é contratada da emissora, mas veio de uma breve temporada na Record TV, onde participou de novelas bíblicas. Elizângela está no ar em 'A Força do Querer', onde faz a personagem Bibi, mãe de Juliana Paes na novela assinada por Glória Perez. Mas que tal relembrar um pouco da história da celebridade?

Uma de suas primeiras novelas importantes foi 'Pecado Capital', em 1975.

Publicidade

Anos depois, o enredo ganharia uma refilmagem. Na primeira versão, o personagem principal era de Francisco Cuoco. Já na segunda, isso ficou por conta de Eduardo Moscovis. Em 1976, Elizângela, já sem usar o sobrenome esteve em 'O Casarão', um dos clássicos da dramaturgia global. Ela ainda esteve na década de 1970 em histórias como 'Locomotivas' e 'Cuca Legal'.

Mais tarde, ela esteve em 'Plumas e Paetês', 'Roque Santeiro' e 'Pedra Sobre Pedra'. Entre seus mais recentes folhetins, 'O Clone' e 'Suave Veneno' ganham destaque. Ela também esteve em 'A Favorita' e 'Ti Ti Ti'. Ao todo foram mais de 40 novelas, casos especiais, minisséries, séries e outros produtos dramatúrgicos apenas na televisão. Ela também lançou um LP e vendeu mais de um milhão de discos. Mesmo assim, ela desistiu e ficou sendo apenas atriz. #Famosos