Não existe luta mais desesperadora do que batalhar para poder se permanecer vivo, ou seja, é literalmente enfrentar a morte de perto, muito perto e é exatamente isso o que tem feito #Gi Charaba, a vencedora do concurso de Miss #Acre 2003. Gi já fez trabalhos muito importantes para o mundo da moda, desfiles e artes em geral, sendo que participou em desfiles de moda íntima para marcas muito conhecidas do ramo. Por três vezes foi dublê do corpo da cantora baiana Ivete Sangalo para comerciais na televisão e também estreou em clipes de músicas. Enfim, a moça atuou como modelo desde a infância em São Carlos, interior paulista, vindo morar na cidade de São Paulo aos 19 anos de idade.

Publicidade
Publicidade

Porém, Gi, com 30 anos e no ápice de sua carreira, viu o seu mundo de sucesso ruir, pois o seu bem mais precioso, que é a saúde, foi abalado de modo bastante grave. A moça descobriu que tinha um câncer mamário, quando no mês de março de 2015, ela percebeu que tinha um caroço nos seios, mas não deu importância até que surgiu uma mancha no seio do lado esquerdo.

Ela, que na ocasião não tinha nenhum plano de saúde, obteve sucesso em ser atendida pela filantropia do Hospital Sírio Libanês, no ano de 2016. Lamentavelmente, o tumor tinha atingido o tamanho de 5 cm e, ainda bem que Gi conseguiu realizar inúmeras outras investigações médicas, que identificaram que ela já estava sendo acometida por uma metástase óssea. Tudo isso porque o tumor vinha se desenvolvendo por 2 anos.

Publicidade

Como a Miss Acre trabalhava com o corpo, ficou arrasada e disparou uma série de questionamentos sobre como ficaria a sua estética para com os médicos que a assistiam, o que não é anormal em uma situação assim.

Enquanto paciente, Gi se submeteu a sua 1ª sessão de quimioterapia, segundo ela, algo que foi muito traumático, totalizando 4 meses de tratamento, no total de 12 sessões, realizadas no renomado Instituto do Câncer de São Paulo. Os efeitos colaterais não tardaram e a modelo, após 14 dias da 1ª sessão, perdeu tufos e mais tufos de cabelo, optando finalmente por raspar a cabeça e utilizar de uma prótese capilar, que era colada na cabeça.

O choro era uma constante na vida de Gi, que evitava se olhar no espelho, mas com a realização de novos exames, foi constatado que, apesar do tumor ter diminuído para 2cm, havia a necessidade dele ser extraído, até mesmo porque a metástase se encontrava no osso externo e não havia retrocedido depois da quimioterapia.

Os médicos decidiram por uma cirurgia complicada que durou exatamente 11 horas para ser feita, mas que teve muito sucesso.

Publicidade

78% do osso esterno foi retirado através de uma incisão no peito; a axila também foi esvaziada; nove linfonodos foram arrancados da região e os músculos das costas da moça foram rodados para que ela pudesse reconstruir o seio.

Especialistas médicos como Max Mano, Felipe Andrade, Marina Sahade, Pedro Nabuco e Marcelo Andrade tomaram a frente no tratamento de Gi Charaba, o qual é contínuo, com a modelo prestes a se submeter a mais 30 sessões de radioterapia e ingerir fármacos pelo mínimo de 10 anos para eliminar os resíduos da neoplasia. Gi, por ter sido forçada a entrar em uma menopausa, não terá filhos biológicos.

Outro aspecto positivo da tomada de postura por parte da Miss Ceará é que ela conta com 17,6 mil seguidores na sua rede social do Instagram, onde passou a fornecer dicas para pessoas que assim como ela, passam por situação semelhante.

Assista depoimento emocionante de Gi Charaba

#Doença