Michael Jackson faleceu no ano de 2009, mas ainda desperta muitas suspeitas sobre a real causa de sua morte. É o que mostram reportagens de veículos internacionais, que trouxeram à tona a existência de treze mensagens do cantor. Nelas, ele temia perseguição e também acreditava que poderia ser assassinado a qualquer momento. O documento pode ser bastante elucidativo e virou alvo de investigações de jornalistas e seguidores do artista, que começou a carreira ao lado dos irmãos, no grupo 'Jackson Five'.

Em 2009, o laudo oficial comprovava que excesso de drogas medicinais dadas ao cantor teria sido a principal causa da morte.

Publicidade
Publicidade

Agora, supostas cartas dão a entender que quem cuidava dos últimos dias do cantor não necessariamente poderia estar querendo o seu bem. Essas pessoas podem estar por trás de um grande plano maquiavélico para matar o artista, que arrastava multidões para as suas memoráveis apresentações. As cartas, escritas pelo 'Rei do Pop', inevitavelmente, acabam confirmando a versão já levantada pela sua filha, La Toya. Na época do ocorrido, Toya chegou a dar entrevistas dizendo que acredita que seu pai tinha sido assassinado. Nas cartas, agora descobertas, frases como "temo pela minha vida" chamam a atenção do público.

Quem revelou o conteúdo das cartas foi o empresário do artista. Aos 34 anos, o alemão Michael Jacobshagen contou do medo de que o amigo e parceiro tinha de ser assassinado. Os dois tiveram uma amizade que durou mais de vinte anos.

Publicidade

Em uma entrevista para à televisão, o empresário conta que o medo do artista, que tentou até mesmo namorar a apresentadora brasileira Maria da Graça Xuxa Meneghel, de tão grande, chegava a ser um verdadeiro terror. Em um determinado dia, por exemplo, durante uma turnê na cidade de Londres, na Inglaterra, o estado emocional de Jackson estava tão abalado que ele pegou um avião e foi ver o amigo, que estava em Las Vegas, nos Estados Unidos. O alemão diz que o seu parceiro estava realmente com medo de ser assassinado.



O cantor nunca esclareceu quem eram "eles", mas algumas notas se referem aos promotores de concertos AEG, responsáveis pela sua última turnê, em Londres. Ainda não é possível afirmar o impacto que essas treze cartas podem causar e se haverá uma nova investigação sobre a morte do cantor. É bom lembrar, no entanto, que o médico oficial do Rei do Pop continua preso. #Michael Jackson