O ex-futebolista e hoje comentarista de #Futebol Walter Casagrande tem a plena convicção de que somente é possível permanecer trabalhando - estar com seus parentes e amigos - e com sua saúde mental em dia, com uma simples exigência: não tocar em nenhuma substância que cause dependência. O ex-atacante foi chamado para o programa 'Nasi Noite Adentro', que será transmitido na quinta-feira (22) no Canal Brasil. Companheiros e ex-usuários de drogas, o comentarista e Nasi debatem temas relacionados à dependência química, além de Casagrande contar como foi sua relação com as drogas.

Na conversa, Casagrande disse que não teve muita sorte com as drogas.

Publicidade
Publicidade

Ele afirmou que queria levar uma vida normal, fazer as coisas que ele gosta, como beber um pouco de vinho, ir a um show de rock e depois ir para sua casa como qualquer outra pessoa normal. Era só o que ele queria para sua vida. No entanto, o ex-atacante não consegue se controlar com apenas uma taça. Para ele, uma pequena taça de vinho pode resultar em um descontrole emocional e levá-lo a outras drogas mais pesadas, como a cocaína.

A vida do comentarista como usuário de drogas, sobretudo da cocaína, iniciou-se na juventude e se agravou por volta dos anos 1980, na época em que passou a ter um grande reconhecimento no futebol, como jogador de futebol.

Casagrande admitiu que, quando jogava no São Paulo e no Corinthians no início da década de 1980, era normal utilizar a cocaína, porém não apresentou dificuldades no seu trabalho como atleta enquanto a usava porque, naquela época, conforme ele explicou, o teste não acusava a cocaína ou a maconha.

Publicidade

O teste só acusava quando era anfetamina, o que ele não usava.

O comentarista disse que começou a usar drogas com apenas 14 anos de idade e depois o processo só se agravou. Ele afirmou que quando vencia ou fazia um gol em um jogo de futebol, a sensação de prazer era muito grande. No entanto, quando chegava em casa aquilo tinha diminuído ou acabado. Então, para retornar à situação anterior de prazer, ele recorria às drogas.

Para o ex-jogador, o prazer e a adrenalina que um jogador sente quando faz um gol na Copa do Mundo são insubstituíveis mas, em seu argumento, só a droga dará prazer igual.

Por trinta anos, o comentarista passou por muitos momentos difíceis em relação a como encarar as drogas. Enfrentou infarto, passou por casas de recuperação para dependentes químicos, além de sobreviver a um acidente de carro, quando estava sob efeito de drogas. Nos dias atuais, Casagrande tira um pouco do seu tempo para dar palestras relacionadas ao tema e afirma que busca se manter longe de qualquer droga que gere dependência. #Walter Casagrande #Famosos