A apresentadora Rachel Sheherazade é um dos principais nomes da televisão brasileira. A comunicadora fez fama nos noticiários devido a sua opinião forte, mas isso tem o seu preço.

Não é fácil falar tudo o que se pensa, mas ao mesmo tempo tem que arcar com as consequências desse tipo de comentário. Em 2014, por exemplo, durante o ‘’SBT Brasil’’, Sheherazade acabou se empolgando e fez um comentário considerado polêmico.

Na época, justiceiros prenderam e bateram em um menor de idade no Rio de Janeiro. O rapaz, de cerca de 15 anos de idade, cometia furtos na Zona Sul da cidade e acabou sendo amarrado a um poste.

Rachel Sheherazade manda adotar bandido

A Procuradoria Regional da República da 3ª Região (PRR3) defendeu a condenação do #SBT por veicular no 'SBT Brasil' comentários em defesa da ação violenta.

Publicidade
Publicidade

A emissora de Silvio Santos pode agora ter que pagar uma multa de R$ 500 mil.

Na ocasião, a jornalista disse que quem estava incomodado com tudo isso poderia adotar um criminoso. Muita gente não gostou e achou essa uma ofensa às políticas de direitos humanos que são discutidas no Brasil e no mundo.

A jornalista chegou a dizer que a atitude dos "vingadores" foi até compreensível e que o que ocorreu foi "legítima defesa coletiva". Ela ainda chamou o adolescente de "marginalzinho".

Veja abaixo o vídeo que mostra a comunicadora fazendo os comentários polêmicos sobre a violência:

A violência urbana e a falência do sistema público de segurança no Brasil: sistema carcerário no Brasil contribui para fábrica de bandidos

Basta conversar com alguém no Centro do Rio de Janeiro ou São Paulo para ouvir que a violência no país está amedrontando muita gente.

Publicidade

Furtos de celulares, agressões urbanas e até estupros estão no dia a dia da polícia.

O que muita gente não se pergunta é como isso tudo começou. As cadeias brasileiras não conseguem recuperar os criminosos. Pelo contrário, especialistas falam em ‘’fábricas do crime’’. Celas lotadas, falta de afazeres e pouco monitoramento contribuem para que homens e mulheres não se transformem durante o tempo de pena.

No início do ano, mais de 100 presos foram mortos em motins em cadeias brasileiras. Facções criminosas lutaram umas contra as outras e provaram que as ações públicas são ineficazes.

O governo federal até ensaiou parcerias com os Estados, mas, na prática, tudo ainda continua semelhante ao terror de outrora. Enquanto isso, quem sofre com a violência pergunta-se: "Até quando isso vai continuar?". #Rachel Sheherazade #Famosos