O repórter da Rede Record [VIDEO], Carlos Cavalcante, que trabalha no programa "Patrulha do Consumidor" apresentado por Celso Russomanno, foi atropelado, neste sábado (03), na parte da manhã. Ele estava participando de uma corrida na Cidade Universitária, na USP.

O carro que o atropelou era dirigido por uma rapaz de 21 anos que aparentemente dormiu no volante. O #Jornalista, com a pancada, ficou desacordado por trinta minutos. Ele chegou a contar como foi o #atropelamento para um canal de notícias. De acordo com Cavalcante, um carro desgovernado invadiu a área demarcada para a corrida e o atropelou.

Ele ficou com a cabeça toda ensanguentada e o SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi chamado por alguns ciclistas que viram a cena e ainda impediram que o motorista fugisse.

Publicidade
Publicidade

O jornalista foi arremessado por cima do capô do carro devido à forte batida. Segundo Cavalcante, ele só não se machucou mais porque tem um bom preparo físico e já chegou a treinar judô, o que acredita que pode ter ajudado.

Estado de saúde

O jornalista está internado no Hospital Bandeirantes e seu estado de saúde é regular. Ele não corre risco de morte, porém, ainda ficará um bom tempo internado. O motorista voltava de uma balada e agora terá que responder na Justiça.

O repórter chegou a fraturar a cabeça e aguarda o resultado de exames, pois há indícios de uma pequena hemorragia. Ele chegou a fraturar uma vértebra e machucou várias outras partes do corpo. Foi uma grande sorte sua situação não ter ficado pior.

Carlos Cavalcante não demonstrou ódio pelo motorista, mas alertou para o cuidado que as pessoas devem ter quando bebem e depois dirigem.

Publicidade

A sua esposa, Analice, está acompanhando o repórter no hospital e ele está recebendo várias visitas. Celso Russomanno telefonou para o seu companheiro de trabalho desejando melhoras. O jornalista afirmou que em breve estará de volta ao programa.

Lesão corporal

O responsável pelo atropelamento, Leonardo Boranga, prestou depoimento e foi liberado. Ele irá responder por lesão corporal culposa, quando não há intenção de matar. Exames detectaram que o motorista bebeu, mas não o suficiente para ser considerado embriaguez.

O local que Cavalcante estava praticando corrida é um dos mais preferidos dos corredores paulistanos que fazem treinos nos finais de semana. O próprio jornalista disse que sempre está lá mantendo a sua forma física e cuidando da saúde.

A imprudência de um motorista irresponsável quase causou a morte do repórter. #Record