Chegou ao fim, nesta quarta-feira (19), a trajetória do jornalista #Paulo Sant'Ana, conhecido pelo amor incondicional ao Grêmio. Ele estava internado desde esta manhã no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre e faleceu vítima de insuficiência respiratória e infecção generalizada. O gaúcho tinha 78 anos.

Segundo o boletim médico, o mesmo já deu entrada no hospital em situação bastante debilitada e ficou certa de 12 horas internado na Unidade de Tratamento Intensivo. A morte foi declarada às 22h10min.

A notícia da morte foi lamentada pelo governador José Ivo Sartori, que afirmou, em nota no Twitter, que o jornalista era um "personagem" do estado do Rio Grande do Sul.

Publicidade
Publicidade

O presidente do Grupo RBS, Eduardo Sirotsky Melzer, onde Paulo Sant'Ana trabalhou por mais de 40 anos, também lamentou a morte do comunicador, dizendo que hoje é um dia triste para o estado e para os canais de comunicação.

Paulo Sant'Ana era um dos torcedores mais ilustres do #Grêmio e o clube, em nota, também lamentou a morte do jornalista.

Renato Portalupe (o Renato Gaúcho que outrora fora jogador idolatrado pelos gremistas), hoje técnico do tricolor gaúcho, também se manifestou, ao vivo, na Rádio Gaúcha, dizendo que deve muito do seu sucesso no Grêmio devido a Sant'Ana. Segundo o técnico, ele brigava com o mundo para que ele jogasse. Renato se declarou triste com a morte do amigo, dizendo que é uma perda irreparável para todos, inclusive para a torcida gremista.

Trajetória

Antes de entrar para o jornalismo e se tornar um dos comentaristas mais conhecidos e populares do sul do país, Paulo Sant'Ana trabalhou como inspetor e delegado na Polícia Civil.

Publicidade

Por seu amor incondicional ao Grêmio, se tornou uma figura popular no antigo estádio do clube - o Olímpico - e, em razão disso, foi convidado a participar de um programa esportivo transmitido pela TV Piratini, o "Conversa de Arquibancada". A defesa ao tricolor gaúcho o levou para o "Sala de Redação", programa transmitido pela Rádio Gaúcha, nos anos 70. Ainda nessa década, se tornou colunista esportivo do Jornal Zero Hora e ganhou espaço no Jornal do Almoço, transmitido pela RBS TV.

O comunicador não fugia de uma boa polêmica, pois afirmava que queria ser lido e reconhecido pelo público, cada vez mais.

Paulo deixou mulher e três filhos.

Até o fechamento dessa matéria, informações sobre o velório e sepultamento do jornalista não haviam sido divulgadas.