Ney Matogrosso é uma das figuras mais polêmicas da música brasileira. Ele enfrentou um caminho difícil até chegar ao patamar em que está hoje, como um dos maiores ícones da televisão brasileira. Ney foi o grande homenageado do 'Prêmio da Música Brasileira', que aconteceu nesta quarta-feira (19). Essa foi a primeira vez que o evento abriu ao público pagante. Enquanto recebia a homenagem pelo histórico, Ney não ficava parado. Ele investe em outros projetos e vive uma fase bastante iluminada.

Em entrevista à 'Folha Ilustrada', o cantor falou sobre como vê a homenagem do público, mas também que hoje não se importa tanto quando vê uma crítica.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o profissional da mídia, no começo, ele se importava mais com as críticas, o que não é mais uma verdade. Ele disse que começou a se apresentar sem estar no 'Secos e Molhados' e que a crítica não perdoou, sendo completamente implacáveis com o seu trabalho. #Ney Matogrosso diz hoje que as críticas não passam totalmente batidas, que ele as lê, reflete, mas não vive em prol delas.

'Gosto de ter pau', diz Ney Matogrosso ao ter sido taxado de travesti

O cantor lembrou em entrevista à 'Folha' que o nome dele ficou sem ser escrito no extinto 'Jornal do Brasil', pois consideravam o músico um travesti. Ele esclarece que sempre gostou do órgão genital masculino e que, por isso, não poderia ser considerado um travesti. "Gosto de ter pau", disse o cantor. O artista diz que, às vezes, gosta de reavaliar alguns trabalhos, mas que, nos últimos tempos, tem feito mais isso.

Publicidade

Ney disse que tomou Daime para deixar de se sentir preso

O músico revelou que ficou preso aos próprios preconceitos durante cerca de 30 anos, mas que isso mudou quando ele tomou o chamado chá do 'Santo Daime', que tem poderes alucinógenos. Ele diz que ainda toma hoje a bebida, mas apenas uma colher, afim de apenas sentir a energia da bebida.

'Minha sexualidade não é a coisa mais importante da vida', diz Matogrosso

Em outro momento da entrevista, Matogrosso revelou que nunca quis levantar a bandeira dos homossexuais. Ney disse que chegaram a convocar ele para fazer uma palestra para um encontro gay na década de 1980, mas que ele disse não. Na época, ele lembra que Renato Russo aceitou e que estava certo, pois falava para esse público. Matogrosso, em compensação, diz que não fala apenas para os gays, mas para todos os públicos. "Que gay é o caralho, sou um ser humano", explicou ele na entrevista. #Famosos