O publicitário e compositor #Archimes Messina faleceu na segunda feira (31). Ele passou mal em casa e foi levado ao hospital, mas não resistiu a uma ruptura de um vaso do fígado.

Ele foi criador de mais de 400 jingles para o rádio e televisão, tendo composto alguns que fazem parte da memória afetiva do brasileiro até os dias de hoje, como o do 'Café Selecto' e da 'Companhia Varig'.

Quem não se lembra dos versinhos que diziam:

"Estrela Brasileira no céu azul, iluminando de Norte a Sul, mensagem de amor e paz, nasceu Jesus chegou o natal. Papai noel voando à jato pelo céu, trazendo um natal de felicidade, e um ano novo cheio de prosperidade, papai noel voando a jato pelo céu, trazendo um natal de felicidade, e um ano novo cheio de prosperidade, Varig, Varig, Varig..."

Messina também foi o criador da música de abertura do programa #Silvio Santos, o famoso "Silvio Santos vem aí, lá, lá, lá, lá, lá...", que rendeu uma longa briga judicial com o apresentador. A música, com arranjo de Renato Oliveira, passou a ser usada pelo comunicador em 1965, ainda na Rádio Nacional. Porém, Messina nunca recebeu os direitos autorais da mesma, e em 2001 o compositor processou Silvio Santos.

A briga fez com que a música fosse removida do programa, só retornando em 2013, após ambas as partes chegarem em a um acordo. Em 1989, durante a breve campanha presidencial do apresentador, a música também foi usada em seus programas eleitorais.

Começo da carreira

Archimes Messina começou na a trabalhar como rádio-ator e depois compositor de temas para rádio novelas. Tornou-se diretor da Rádio São Paulo em 1950. Também foi roteirista de novelas radiofônicas, sendo "Aqueles OIhos Azuis" (1957), a primeira delas.

Archimedes Messina também trabalhou nos primeiros tempos da televisão brasileira e chegou a atuar na novela A Grande Mentira (1958), exibida na TV Paulista, que era vinculada com a Rádio Nacional de São Paulo.

Ele deixou mulher e dois filhos, e foi enterrado no cemitério da Vila Mariana.