Publicidade
Publicidade

A atriz performática conhecida pelo nome artístico de #Rogéria faleceu nesta noite de segunda-feira (4), em um hospital da Barra da Tijuca no Rio de Janeiro. A #Artista estava com 74 anos e foi internada por conta de uma nova infecção urinária.

O site “UOL” confirmou a notícia depois de procurar por telefone Alexandro Haddad que era empresário de Rogéria. Muito consternado ele não quis dar maiores informações e disse apenas que esta tomando conta de todos os detalhes burocráticos.

Em julho passado a atriz já havia sido internada com fortes dores nas costas e depois da realização de uma série de exames foi diagnosticada uma infecção urinária.

Publicidade

Ela ficou em tratamento na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), por duas semanas e depois recebeu alta.

Na ocasião seu empresário comentou que estava muito surpreso e que agradecido aos fãs de Rogéria e também aos profissionais da imprensa pelo carinho e pela corrente de orações que foram feitas pelo reestabelecimento da saúde da artista [VIDEO]. Ele disse que sabia que ela era querida e respeitada por todos, mas não imaginava que fosse tão grande o amor dos fãs e que nem sabia que tinham tantas pessoas orando por ela.

Rogéria foi uma das primeiras pessoas da comunidade #LGBT a ter um papel de destaque na sociedade e na televisão brasileira. Nascida no ano de 1943 no Cantagalo, interior do Rio de Janeiro, ela se chamava Astolfo Barroso Pinto.

Ao longo de sua carreira, ela teve diversas experiências.

Publicidade

Trabalhou como maquiadora na extinta TV Rio. Foi vedete. Foi morar no exterior onde fez vários shows como transformista. No ano de 1979, recebeu o importante troféu “Mambembe”, por um espetáculo que fazia ao lado do célebre Grande Otelo. No ano passado (2016), lançou sua biografia, escrita por Marcio Paschoal, com o título de “Uma mulher e mais um pouco”.

Era também uma importante ativista da causa LGBT e vista como um ícone contra o preconceito e a falta de informação [VIDEO] a respeito das pessoas que têm uma vida fora dos padrões conservadores da sociedade.

Muito querida no meio artístico, foi jurada em vários programas de auditório, como no antigo “Chacrinha”, e mais recentemente no programa do “Gilberto Barros”, e até no “Caldeirão do Huck”. E fez participações em produções da dramaturgia global, como a consagrada novela “Tieta”. E também atuou em outras produções, como “Desejo de Mulher”, “Babilônia” e “Duas Caras”.

Na internet, seguidores e fãs lamentam a morte da atriz e outros famosos também estão prestando suas homenagens.