Publicidade
Publicidade

O famoso comentarista da televisão brasileira Walter Casagrande está passando por momentos delicados desde que criticou os jogadores #Felipe Melo e #Jadson. Após a crítica, Casagrande tenta se livrar de ofensas e ameaças de morte de pessoas indignadas com sua atitude.

O jogador do Palmeiras Felipe Melo e um dos principais jogadores do Corinthians, Jadson, apoiaram publicamente o deputado federal #Jair Bolsonaro. Ambos quiseram mostrar para todos que acreditam em um bom futuro do Brasil com Jair Bolsonaro para a presidência. Felipe Melo mandou a frase: "Deus abençoe os trabalhadores e pau nos vagabundos, Bolsonaro neles!".

Publicidade

Em outra ocasião, Jadson disse que ao acompanhar Bolsonaro [VIDEO] através das redes sociais ele acredita que o parlamentar esteja no rumo certo para cuidar do Brasil.

As declarações dos jogadores deixaram Casagrande "furioso". O comentarista disse que todos têm direito de apoiar publicamente quem quiser, desde que conheçam aquela pessoa que estão apoiando. Casagrande conta que pelo fato dos jogadores serem famosos, acabam influenciando outras pessoas, por isso o apoio a algum político tem que vir com total certeza.

Fãs e seguidores de Jair Bolsonaro não gostaram em nada das declarações do comentarista. Com isso, Casagrande começou a receber várias críticas, ofensas e até ameaças de morte através de seu telefone celular. A situação delicada fez com que o comentarista tivesse que mudar seu número para evitar receber as ligações indesejadas.

Publicidade

Casagrande e drogas

Walter Casagrande infelizmente acabou caindo no submundo das drogas. Em uma longa luta, ele tentou se desvincular do vício e nesse ano, durante uma entrevista para um programa do Canal Brasil, o comentarista admitiu que se alguém lhe der um "um tirinho", ele vai ter que ficar uns quatro dias cheirando cocaína.

Ele conta que para ele esse vício é um "azar". Em sua percepção, utilizar drogas, ir a um show de rock, tomar bebidas alcoólicas e chegar em casa para dormir, seria algo "perfeito", mas ele sabe que não é possível fazer isso nos dias de hoje.

A sua adolescência foi regada a drogas e quando ele trabalhava na Rede Globo acabou tendo que se afastar em 2007 para tratar uma severa depressão.

Na época de jogador, ele conta que não tinha exames para pegar maconha e cocaína do organismo, era apenas detectado anfetamina. Atualmente, os jogadores [VIDEO] que se utilizam de drogas são prejudicados em campeonatos, o ato é proibido.