Em artigo publicado na Reader Supported News (RSN), em 30 de setembro, o especialista em energia sustentável, Harvey Wasserman, avaliou que a destruição ecológica e humanitária que o furacão Maria causou em Porto Rico relevou novas oportunidade em energias limpas, renováveis, e que poderão "melhorar o futuro da ilha e oferecer ao mundo uma vitrine crítica para um futuro de energia sã".

A ilha ficou, literalmente, no escuro, destacou o articulista. "A rede elétrica de Porto Rico foi amplamente danificada, sem perspectivas de retorno de energia para os próximos meses".

Wasserman informou que a Autoridade de Energia Elétrica estatal, que detém parques eólicos e uma rede de hidrelétricas, deu conta de que a maior parte do seu abastecimento de energia vem de combustíveis industriais pesados, diesel e gás, além da queima carvão importado da Colômbia em uma fábrica da Guiana.

O furacão arrasou os queimadores de fósseis, o sistema de entrega, uma rede tradicional de pólos e fios acima do solo. Autoridades dizem que pode levar pelo menos quatro a seis meses para reconstruir essa rede.

Destacou que 58 das 69 instalações hospitalares foram desligadas. Pelo menos duas pessoas morreram quando as unidades de terapia intensiva ficaram às escuras.

Não obstante toda esta dor, surge, segundo o articulista, uma nova oportunidade: a instalação de painéis solares e backups de bateria, que podem tornar esses hospitais autossuficientes em energia. "Em todo o país, essa tecnologia está sendo aplicada em instalações médicas, de processamento e armazenamento de dados e outras unidades críticas", disse Wasserman.

De acordo com Mark Sommer, um especialista em energia da Califórnia, Porto Rico poderia proteger tais instalações críticas e restaurar muito mais rapidamente o poder, migrando do antigo paradigma da eletricidade (gerada centralmente e distribuída) para uma rede descentralizada, verde, com base em micro grades.

Os melhores vídeos do dia

Ele explicou que as micro grades são redes baseadas em comunidades que geram áreas geográficas e consumidoras menores que as grandes redes centrais, como a que atendia a Porto Rico. E são baseados em geração descentralizada, incluindo redes de painéis solares no telhado. Segundo Sommer, "as microfibras renovadas são uma tecnologia relativamente simples e madura que pode ser implantada em meses, em vez de anos e, uma vez que o investimento inicial é recuperado, produz taxas de energia dramaticamente menores".

O fato de Porto Rico ser montanhoso e ter muitas aldeias pequenas e remotas, o articulista ressalta estas características como a melhor esperança da ilha rumo ao futuro de energia renovável, limpa, com a produção descentralizada em bairros autossustentáveis.

Outra característica ressaltada é que a ilha poderia proteger seu fornecimento de eletricidade do próximo desastre natural ao construir uma economia de energia saudável e de baixo custo.

Segundo Wasserman, o país também é uma boa fonte de cana-de-açúcar e outras vegetações tropicais de rápido crescimento, o que o torna forte produtor de biomassa.

E citou o Brasil, como exemplo em frota de automóveis movidos a álcool, combustível extraído do bagaço de cana-de-açúcar.

Disse que Porto Rico pode tirar proveito de ser um país ensolarado, podendo fomentar a instalação de micro grades baseadas em renováveis. "Em termos de custo, imediatismo, imunidade do próximo furacão e sustentabilidade a longo prazo, esta é uma oportunidade trágica, mas única", analisou.

Criticou, também, o governo Trump por ser dominado pelas indústrias de combustíveis fósseis e energia nuclear.

Por fim, reforçou que as alternativas acima são as melhores, no lugar do país ter que reconstruir a rede elétrica de forma tradicional e centralizada. Isto prolongaria a agonia provocada pelo furacão Maria, deixando a ilha vulnerável para a próxima grande tempestade de vento.

A esperança para Porto Rico está na energia sustentável e renovável, armazenamento de backup protegido e uma rede descentralizada, localmente, de micro grades de propriedade comunitária.

É a força da natureza sendo nossa pedagoga [VIDEO]; e que aprendamos a respeitar nosso Meio Ambiente, que significa respeitar a nossa própria vida e demais seres vivos.