Se existe uma expressão artística que conseguiu juntar diversas etnias e culturas é o wall painting (conhecido pelo termo “mural”, em inglês), pois agrega estilos diferentes, contexto social e político, além de ser considerada uma filosofia de vida. A pintura muralista é muito visível no cenário urbano e arquitetônico das grandes metrópoles, destacando ruas e arranha-céus em cores e formas exuberantes que destoam o cinza presente.

A pintura em murais de grandes dimensões é resultado da disseminação da cultura pop, uma vez que, manipulando-a sempre, está em constante evolução principalmente com os meios de comunicação, como por exemplo, a internet, onde tudo acontece.

Entretanto, essa expressão artística está relacionada à arquitetura e o design de interiores em que exercem uma função crucial em locais ou ambientes, tornando-os despojados e moderno, criando o efeito de um novo espaço e destacando a #Decoração.

Ao longo da História da Arte, a pintura muralista passou por várias civilizações como a grega, a romana, a indiana e a chinesa, além de muitos períodos históricos, mas foi a partir do Renascimento, com a técnica afresco usada por Michelangelo, que se tornou importante. Já no século XX, a técnica passou por mudanças entrando em vigor características expressionistas e abstratas europeias, como também na arte realista moderna engajada na Revolução Mexicana (1910-1920), retratando a efervescência política social em oposição à ditadura.

Faça você mesmo

O wall painting, se não bem planejado, pode ter sérias consequências, causando até a antecipação de apagar todo trabalho com tinta neutra.

Os melhores vídeos do dia

“A técnica para se ter um bom traço é como será feita a ampliação do esboço do papel à parede, é primordial conhecer as características dos materiais que vão ser usados, principalmente a qualidade”, explica o designer gráfico Walney Martins a.k.a. Negritoo, 42 anos, pós-graduado no Senac-SP. Seu primeiro mural foi feito no próprio apartamento, onde grafitou a parede inteira da sala de jantar. “O meu trabalho começa com o briefing do cliente, depois os esboços das ideias dentro do meu estilo, após aprovação inicio a execução da ilustração na parede”.

Sendo assim, o wall painting em cores e traços inusitados pode ser atrelado a objetos de decoração, móveis, instrumentos musicais e shapes de skate causando ilusão de ótica, como também, substituir os tradicionais quadros – mudando totalmente o ambiente. “A minha inspiração vem de artistas consagrados e novos em diversos campos de atuação como tattoos, quadrinhos, grafites, além da própria História da Arte. O meu repertório tem base no ícone feminino, tomei gosto pela suavidade e delicadeza das formas – diferente da masculina –, então consigo explorar mais essas nuances”, relata Walney.

Para ajudar na inspiração, são utilizados os ícones da grande mídia, por exemplo, a atriz Audrey Hepburn e a cantora Björk. O muralista Kobra – conhecido mundialmente –, se baseou em grandes personalidades, por exemplo, o cientista Albert Einstein, o pintor Salvador Dalí e o arquiteto Oscar Niemeyer.

Além disso, o tipo de material utilizado é um marcador específico à base de água ou álcool que fixa em diversas superfícies – tela, parede e vidro –, sendo uma ferramenta muito versátil. A melhor maneira de encontrar o que funciona para cada perfil é usar a criatividade: alternar a pressão dos traços, misturar as cores e buscar por novas formas de experimentações. No mercado há tanta variedade de espessuras e modelos, as marcas mais procuradas são Posca e Krink, onde é fácil encontrá-las em lojas e sites especializados. Ainda assim, o designer gráfico Walney alerta: “uso duas técnicas, a tradicional, onde os esboços são feitos à mão, e a digital para fazer testes de cor e o cliente visualizar melhor o resultado”. Há muitos aplicativos especializados em converter a ilustração para o ambiente virtual e testar juntamente com a decoração, mas esse assunto você confere na próxima matéria. #WallPainting