Prática por durar muito e iluminar bem os cômodos da casa, a lâmpada fluorescente torna-se vilã quando se olha a questão ambiental.

É praticamente impossível achar um ponto de descarte deste tipo de material nos estabelecimentos que o consumidor costuma frequentar como, por exemplo, shopping centers.

Aos poucos, isso vem mudando: menos do que se deseja, mas, com alguma luz no fim do túnel. Na cidade de São Paulo, é muito raro o oferecimento desse tipo de serviço.

Já em outras localidades, dentro do estado de São Paulo, isso se transforma num projeto que saiu do papel. A cidade de Sorocaba é uma delas, visto que a partir deste mês, os moradores terão a opção de deixar suas lâmpadas fluorescentes em pontos destinados para essa função.

Serão ao todo, dez pontos que disponibilizam o descarte correto deste material e o encaminhamento para a reciclagem.

Consequências

Não é de hoje que o descarte incorreto, ou seja, o lançamento das lâmpadas no lixo comum, causa um sério impacto ambiental.

A iniciativa implantada em Sorocaba visa a atender o que se estabeleceu na Política Nacional de Resíduos Sólidos. Esta política prevê o compartilhamento das atribuições no tocante ao ciclo de vida do produto e à implantação da logística reversa.

O intuito maior é que as lâmpadas não contaminem o meio-ambiente, pois o mercúrio é parte integrante delas. Mesmo com uma presença pequena em cada lâmpada, o somatório de várias delas acarreta uma quantidade maior de mercúrio.

Esse metal é prejudicial à saúde humana e ao meio-ambiente. Por isso, o descarte correto eliminaria ou diminuiria a poluição provocada por esse metal.

Todos os componentes da fluorescente podem ser aproveitados na produção; o vidro, por exemplo, pode ser reaproveitado na fabricação de peças cerâmicas.

Outros subprodutos como o soquete, o alumínio e o próprio mercúrio, estimulam o reuso das matérias-primas. O benefício do mercúrio para a cadeia produtiva está na utilização do elemento químico nas fábricas de cimento e asfalto. Sendo assim, fica bom para a população e melhor ainda para o Meio Ambiente.

Participação

As lâmpadas que podem ser descartadas são as de uso doméstico: fluorescentes, tubulares (aquelas de aspecto comprido), vapor de mercúrio, sódio ou as que geram luz mista.

Para o programa voltado para Sorocaba, não existe um limite mínimo para se descartar as lâmpadas; basta que os moradores/consumidores se dirijam a um posto de entrega. Não é exigido consumir nos estabelecimentos comerciais escolhidos.

Em sua última etapa de implantação, elegeram-se os bairros que atendessem certos critérios como o número de habitantes, poder aquisitivo, infraestrutura da região, densidade populacional e domicílios com energia elétrica. Entre os pontos de entrega, estão supermercados e lojas de materiais de construção.

Siga a página Educação
Seguir
Siga a página Natureza
Seguir
Siga a página Tendências
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!