A pesquisa que foi desenvolvida por cientistas de quatro universidades brasileiras e publicada na revista Mammal Research do mês de julho, tem como finalidade identificar a diversidade de espécies de morcegos e também compreender como esses animais estão distribuídos pelos diversos biomas do Brasil.

Os pesquisadores codificaram os sons de alta frequência emitidos por morcegos de 65 espécies e os dados obtidos farão parte de uma biblioteca acústica. Esses resultados serão importantes para classificar as áreas que precisam ser preservadas.

Os morcegos têm finalidade ecológica relevante para o equilíbrio da Natureza, uma vez que são importantes polinizadores de flores, realizam controle de população de insetos e participam na dispersão de sementes.

A pesquisa

O projeto teve início em 2007 com a pesquisadora Maria João Ramos Pereira, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Ela identificou a falta de mais informações sobre esse mamífero principalmente no que diz respeito à ecolocalização.

Para o desenvolvimento da pesquisa foram utilizados detectores de ultrassons munidos de microfones. De acordo com o biólogo Frederico Hintze, um dos pesquisadores envolvido no estudo, o ultrassom emitido pelos morcegos precisou ser gravado dez vezes mais lento que o som original para que ele pudesse se tornar audível ao ser humano.

As gravações foram realizadas em várias partes do Brasil tanto em áreas urbanas como em áreas protegidas e em três circunstâncias diferentes.

A primeira durante a soltura de morcegos previamente capturados, outra em saída de cavernas e a terceira situação em tendas de voos.

Ondas sonoras únicas

Hintze afirma que os morcegos não são cegos, mas que assim como os humanos, sua visão é limitada no escuro e que para conseguir orientação durante o voo e capturar sua presa faz o uso da emissão do ultrassom.

Esse sistema funciona como um sonar semelhante aos usados em navios de guerra. Os morcegos emitem o som de alta frequência, que ao se chocar contra objetos retorna ao animal sendo possível a identificação do ambiente ao seu redor e também servindo para a localização da sua presa.

Cada espécie de morcegos emite ondas sonoras específicas e únicas por isso sua identificação torna-se possível.

De acordo com os pesquisadores os dados obtidos com as gravações serão dispostos em um repositório da Sociedade Brasileira de Pesquisadores de Morcego (SBQE).

Siga a página Natureza
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!