Procuram-se equipamentos eletrônicos no valor de mais de R$ 5 milhões na Câmara Municipal de Belo Horizonte. Depois de uma denúncia na imprensa, o Ministério Público Estadual (MPE) instaurou inquérito a fim de investigar onde foram parar os equipamentos adquiridos pelo legislativo belo-horizontino, que ainda nãoforam localizados. São pelo menos dez objetos, entre eles uma TV de 55 polegadas, dois fones de ouvido profissionais, dois microfones sem fio e cinco estantes que servem para guardar os equipamentos.

Valor total: exatos: R$ 5.582.874,00.

Os objetos foram comprados mediante licitação, conforme determina a lei. O contrato, que levou o número de 01/2013, recebeu cinco aditivos (aumento no valor inicial). Segundo relatório da pessoa responsável pelo almoxarifado da Câmara Municipal, as notas fiscais relativas aos equipamentos começaram a chegar em agosto de 2014 e que a identificação e incorporação ao patrimônio do legislativo municipal teve início em dezembro. A responsável alega que houve alguma dificuldade na execução da tarefa por falta de pessoal, mas que mesmo lentamente os trabalhos continuaram.

O setor também se queixou, em relatório oficial, de que uma série de itens como cabos de rede, softwares e kits para conexão eletro-eletrônico não puderam ser inventariados.

A Câmara Municipal também abriu processo administrativo que tem um prazo de 15 dias úteis (contados a partir da quarta-feira [18]) para se pronunciar.

Agressão

Presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte na ocasião em que a licitação da compra dos equipamentos eletrônicos foi realizada, o vereador Léo Burguês (PSL), deverá ser ouvido tanto pelo MPE quanto pela sindicância interna da Câmara, mas demonstrou irritação e agrediu verbalmente a reportagem do jornal "Hoje em Dia" em seu pronunciamento.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia Corrupção

“Todo mundo conhece a fama desse jornalista Ezequiel Fagundes [repórter do jornal]. Um escroque, um escroque, pode escrever aí. Ezequiel é um escroque, não para em lugar nenhum. Um mentiroso, uma pessoa que não tem caráter, não tem escrúpulo”, acusou.

Em nota, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais manifestou solidariedade ao repórter Ezequiel Fagundes. "Ezequiel apenas exerceu sua função e, ao contrário do vereador, nunca esteve envolvido em escândalos (...)" diz a nota fazendo referência a uma série de denúncias que envolvem o nome do vereador.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo