O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em Belo Horizonte chegou a 2,94% no mês de janeiro, o maioríndicepara o mês desde a implantação do Plano Real, em 1994. Já a cesta básica, também na capital mineira, foi calculada em R$ 413,04, valor 22,95% maior quando comparado a janeiro de 2015. Os cálculos são de pesquisas da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead),- órgão ligado à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Segundo os economistas do Ipead, os maiores responsáveis pela alta da inflação foram os alimentos, as passagens de ônibus urbanos, o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e os empregados domésticos.

No item alimentação, novamente o preço do tomate chama a atenção com variação de 55,26% em um mês e um acumulado de 95,10% nos últimos 12 meses. Além do tomate, a batata inglesa registrou variação de 7,16% e a chã de dentro, de 1,95%. Em contrapartida o café moído registrou queda de 0,11% e a banana caturra caiu 8,78% As passagens de ônibus foram reajustadas duas vezes no ano passado, chegando a R$ 3,70 a tarifa mais comum. Na variação mensal o índice chegou a 8,48%. No caso do empregado doméstico, a variação sofreu o impacto do salário mínimo que passou de R$ 788 para R$ 880 desde o primeiro dia do ano.

O IPTU é um tributo que sempre pesa no começo do ano, época de seu vencimento.

O IPCA mede a evolução dos gastos das famílias com renda de 1 a 40saláriosmínimos. Outro índice, calculado pelo Ipead, o IPCR (Índice de Preços ao Consumidor Restrito), que mede o impacto dos preços em famílias que ganham entre um e cinco salários mínimos, registrou variação de 2,35% em janeiro. O que surpreendeu os técnicos do Ipead foi a queda dos preços no item 'alimentação de fora de casa' com um decréscimo de 1,61%.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Governo

Eles atribuíram a redução aos próprios comerciantes que tiveram de se adaptar para não afugentar a clientela e reduziram a oferta de alguns produtos mais caros e fora de safra.

Com relação à cesta básica, o valor de R$ 413,04 representa 46% do atual salário mínimo. Ela representa, segundo o Ipead, os gastos de um trabalhador adulto com alimentação, definida pelo Decreto Lei 399/38 e coleta o preço de 13 produtos alimentares.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo