Uma mulher foi até uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Vespasiano, na grande BH, queixando-se de dores renais, quando foi até o banheiro. Funcionários do Pronto Atendimento notaram que a barriga da mulher havia diminuído, e foram averiguar o sanitário. Chegando lá eles notaram que havia muito sangue no chão e um bebê recém-nascido estava dentro da lixeira do banheiro.

A Polícia foi acionada pelos funcionário da (UPA), onde relataram que uma mulher tinha abortado e que tentou matar o recém-nascido no banheiro da Unidade de Pronto Atendimento.

O fato ocorreu nesta terça-feira (26) e, segundo a Polícia Militar, Juliana Aparecida Morato, de 32 anos, relatou que realmente abortou a criança e tentou jogá-la no vaso sanitário dando descarga para que o bebê pudesse ir esgoto abaixo, como não obteve sucesso em eliminar o bebê, ela, então, joga a criança na lixeira do banheiro e sai normalmente, como se nada tivesse acontecido.

O bebê, assim que encontrado na lixeira, foi levado para ser medicado e encubado, sendo encaminhado para o Hospital Municipal Odilon Behrens, na cidade de Belo Horizonte.

Em depoimento feito aos policiais, Juliana Aparecida Morato disse que está passando por dificuldades financeiras e enfrenta uma grande depressão, o que impulsionou ela a fazer esta barbaridade. "Fiz isso tudo sem pensar", declarou ela.

A mulher foi encaminhada ao Hospital Maternidade de Vespasiano, onde recebeu os cuidados médicos com escolta da Policia Militar de Minas Gerais, que acompanha Juliana.

O recém nascido está em observação na U.T.I (Unidade de Tratamento Intensivo) do Hospital Municipal Odilon Behrens, fora de perigo de morte, porém, precisando de atenção especial dos médicos e enfermeiros, já que nasceu prematuramente.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia Relacionamento

Enquanto isso, Juliana Aparecida Morato será encaminhada, após alta médica, para a cadeia de Vespasiano, onde aguardará por julgamento do crime praticado contra a vida de seu filho.O caso foi encerrado na delegacia da cidade de Vespasiano, e a perícia não apareceu no local do crime, já que, segundo a Polícia Civil, o local estava totalmente descaracterizado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo