Era para ser mais uma celebração religiosa na pacata Ipatinga, cidade mineira localizada a cerca de 200 quilômetros da capital, Belo Horizonte. No entanto, um acidente envolvendo um enxame de abelhas acabou ferindo 54 pessoas, que foram atacadas durante a missa que ocorria na quadra poliesportiva da escola estadual Elza de Oliveira Lage, situada no bairro Chácaras Madalena, na última sexta-feira, 12 de outubro, quando é comemorado o dia de Nossa Senhora Aparecida.

De acordo com informações divulgadas pelo Corpo de Bombeiros, as abelhas formaram uma colmeia que estava instalada dentro de uma coluna de ferro que era usada no local para sustentar a cobertura da quadra da escola.

No meio da celebração, as abelhas voaram em bando e começaram a atacar parte das 500 pessoas que ali estavam. Segundo informações da prefeitura da cidade, das 54 pessoas feridas, 22 eram crianças. Entre os adultos, o pároco que segurava o turíbulo foi bastante atingido.

Todas as vítimas foram levadas a hospitais da rede municipal de saúde. Gilvan Ferreira, tenente presente durante o incidente, relatou que, segundo testemunhas, provavelmente foi a fumaça vinda do incenso que irritou as abelhas. Isso porque muitos disseram que foi após o uso do turíbulo (objeto utilizado para colocar incenso) que os insetos saíram em grande quantidade e passaram a atacar o público que ali estava. "Elas estavam dentro de uma das colunas de sustentação do ginásio e de repente saíram em revoada", afirmou o tenente.

Prefeito de Ipatinga manda mensagem

Nardyello Rocha, prefeito de Ipatinga, gravou um vídeo no final do dia falando sobre o ocorrido. Na filmagem, tratou de tranquilizar as famílias e os moradores da região e revelou que, no passado, já foi vítima de ataque de abelhas, ressaltando o quanto é difícil lidar com esse tipo de situação. "Quero tranquilizá-los, estamos monitorando e nos preparando para receber todas as vítimas", afirmou.

O prefeito assegurou que um esquema especial foi montado na Unidade Pronto Atendimento (UPA) e nos hospitais locais, formando uma força-tarefa junto a vários hospitais da região. O atendimento pediátrico, de acordo com o prefeito, também foi colocado entre as prioridades. Até o presente momento, os principais sintomas dos feridos eram náuseas e vômito.

"Às vezes a gente vai orar e o inimigo levanta. Mas o importante é que todos estão sendo atendidos", finalizou o prefeito.

Siga a página Curiosidades
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!