Programas como o Ciência Sem Fronteiras, que permite o intercâmbio de estudantes brasileiros em outros países, e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), financiador de graduação em instituições não gratuitas, servem como incentivo ao ingresso nas universidades. Além deles, o Sistema de Ingresso por Mérito (SIM) reserva um determinado número de vagas para cada curso superior a serem preferencialmente ocupadas àqueles alunos de melhor desempenho no Ensino Médio.

Publicidade
Publicidade

Através do SIM, que também destina bolsas de estudo para pessoas acima de 50 anos, o sonho de Edna Margarida Gaidzinski Bastos, enfim, foi realizado. Do alto dos seus 72 anos, entre cinco filhos, 12 netos e dois bisnetos, ela encontra forças e tempo para cursar Letras e garante: “a idade não me atrapalha em nada”.

Enquanto vai de uma sala a outra no intervalo das disciplinas no prédio de Letras da universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc), localizada em Criciúma-SC, Edna observa os sinais dos tempos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Educação

O contato com outros jovens estudantes, agora diário, surge como inspiração para a futura educadora.

Apaixonada por livros, sobretudo os de poesia, Edna está somente no terceiro semestre do curso de Letras, com uma longa trajetória pela frente. Para ela, a decisão de ingressar no ensino superior serviu como uma verdadeira transformação em sua vida.

“Na minha época, a mulher tinha dois destinos. Ou se casaria e viraria dona de casa, ou seria professora.

Publicidade

E mesmo ser professora era raro. Tive um momento de luz e reflexão e entendi que a graduação era o caminho que eu deveria percorrer. Me identifiquei no curso de Letras. Tenho, claro, uma ou outra dificuldade, mas vou no meu ritmo. Tenho tido desafios encantadores”, relata a estudante.

Ela também conta como faz para se dividir entre os livros e uma família que cresce a cada ano:

“Tenho os meus filhos, os netos e os bisnetos para receber e tenho a casa para coordenar.

Mas tudo isso quando eu não estou ocupada estudando. O meu tempo está muito curto porque faço alguma coisa toda hora. É a minha receita para manter a mente sempre jovem”, brinca.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo