Pensando sobre a crise hídrica em um âmbito mais amplo, o engenheiro em Sistemas Urbanos e Ambientais, Ludovic Freire Gomes, aponta algumas implicações a médio e curto prazo de um colapso no sistema de abastecimento de água,entre elas: crise sanitária e social; água de menor qualidade e poluída; racionamento permanente durante todo o ano, com horários definidos para uso de água; aumento dos impostos e do preço da água; e risco de corrupção devido à competição para o acesso à água.

Segundo o promotor de justiça do Ministério Público de São Paulo, Ricardo Manuel Castro, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) não tem tratado corretamente a água do volume morto, até então pouco utilizada para consumo. A companhia negou a afirmação declarando trabalhar com padrões rígidos de qualidade, além de já utilizar o volume morto há mais de quatro décadas para abastecer os municípios da região de Campinas sem registro de qualquer problema à saúde da população.

O mesmo vale para o aumento nas contas de água no Estado de São Paulo, que, do final do ano passado até aqui, já tiveram dois reajustes, ambos sob o argumento da crise hídrica: um de 6,49%, em dezembro de 2014, e outro de 15,24% em junho deste ano.

Quanto ao racionamento, há indícios de ele já vem sendo praticado desde que a crise começou a se agravar no ano passado, ainda que a Sabesp tenha negado.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Opinião

No entanto, de acordo o tecnólogo Marzeni Pereira, funcionário da Sabesp há mais de duas décadas, a companhia estaria fechando o registro de água, o que justificaria a ausência de fornecimento em algumas regiões.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo