Depois de 20 projetos para correção do FGTS terem circulado pela Câmara dos Deputados nos últimos anos, enfim, uma proposta foi aprovada, inclusive, com apoio do Governo, quase sempre derrotado na Câmara, sobretudo, nas últimas votações. O projeto segue agora para passar pela avaliação dos Senadores, para depois, caso aprovado, seguir para avaliação da Presidente Dilma.

O site Blasting News Brasil foi saber a Opinião de especialistas sobre o que, de fato, é preciso ser feito para se realizar uma correção justa do FGTS e que favoreça o trabalhador brasileiro, principal interessado nessa mudança.

Publicidade
Publicidade

“Acredito (melhor dizendo: acreditava) na possibilidade de se aumentar a remuneração do trabalhador sem mudar as regras do financiamento, com aumentos escalonados a longo prazo (10 – 15 anos). Porém, o tempo na política é diferente e algumas pretensões são apenas isto: pretensões. Do jeito que foi votado, certamente, dividirá opiniões”, afirma Bianca Sandes, advogada.

“Há necessidade de flexibilizar, ao menos uma parte do saldo, para que o participante possa utilizá-lo em aplicações diversas, como ocorreu quando foi possível aplicar até 30% do saldo em ações da Petrobrás.

Além disso, com relação ao saldo restante, a necessidade de melhorar a rentabilidade, que hoje é a mais baixa do mercado”, garante Ricardo Balistiero, Professor e Economista.

Leia tudo