Várias instituições públicas no Brasilestão parando suas atividades de forma gradativa em protesto contra a política econômica da presidente Dilma Rousseffe devido aosefeitos da crise econômica sobre o funcionalismo público.

O sentimento é unânime entre todos. Insatisfação de funcionários públicos com as condições de trabalho, salários e corte no orçamento da União estão levando aos servidores de várias instituições federais a pararem suas atividades normais de trabalho em protesto ao arrocho promovido pelo Governo.

Atualmente, em todo o país, estão emgrevesetores da Educação, Saúde, Seguridade Social, Administração de Tributos e Justiça. Outras categorias estão se articulando para a realização de greves em seus setores como forma de pressionar as autoridades para conscientizá-las da necessidade de que suas reivindicações sejam aceitas. Muitos órgãos estão fazendo paralisações pontuais e mantendo apenas serviços essenciais e de emergência junto à população.

No setor educacional, deflagrou-se a greve dos professores das universidades federais que se iniciou no dia18 de agosto. Esta greve se junta também a greve dos servidores das instituições de ensino federal espalhadas pelo país.

Estão paralisados as atividades do Ministério da Fazenda e da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI). Esta paralisação de cunho pontual, pelo menos inicialmente, irá durar 48 horas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

Ainda no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), as atividades de rotina estão paralisadas segundas e nas quartas-feira.

No INSS (Instituto de Seguridade Social), as atividades estão paralisadas há quase 60 dias. O atendimento está sedo feito de maneira parcial. Os serviços de pedidos de aposentadoria, licença-maternidade, auxílio-doença e contagem de tempo de serviço estão suspensos.

Só funcionam os atendimentos da perícia médica e que estejam previamente agendados.

Na Receita Federal, estão paralisados os serviços de tributos internos e os procedimentos aduaneiros de cargas nos portos. Apenas os desembaraços de cargas perigosas ou perecíveis, medicamentos, animais vivos e urnas funerárias estão sendo executados.

As entidades sindicais, em um número de 30 aproximadamente, estão em apoio aos órgãos em greve e estão também trabalhando na defesa dos interesses e das reivindicações dos funcionários ligados a estes órgãos.

A pauta de reivindicações defendem uma política permanente de correção salarial, pedem um reajuste de 27,3% baseado nas perdas salariais pela inflação desde o ano de 2010 e uma igual equiparação entre ativos, aposentados e pensionistas. Os representantes sindicais estão aguardando até o dia 31 para que o Congresso Nacional receba o projeto da Lei do Orçamento Anual (PLOA), data limite também para que sejam encerradas as tentativas de negociação.

Depois disto, caberá a cada entidade representativa de cada setor como agir.

Até o presente momento, o Ministério do Planejamento sinalizou com um reajuste de 21,3% em quatro anos e baseado na inflação esperada. Há uma rejeição por parte das classes dos trabalhadores. Estes ainda questionam os índices de reajuste para as gratificações de auxílio de alimentação, creche e plano de saúde.

Estão previstas para as próximas semanas de agosto, que se encaminha para seu final, as paralisações do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

Os representantes sindicais e de classes afirmam que o governo parece não se preocupar com o servidor público e até o momento não ofereceu alternativas mais concretas de negociação. Isto tem causado temor e apreensão em muitos servidores públicos, que manifestam o desejo de voltar às suas atividades normais e continuar a oferecer um bom serviço à população.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo