A jovem de apenas 18 anos teve duas imagens e documentos pessoais publicado em redes sociais, logo após realizar o alistamento na Junta de Serviços Militar em Osasco, São Paulo, nesta última quarta-feira, 23. Nesse dia, ela ainda tinha 17 anos. A adolescente transgênera Marianna Lively tem o registro com esse nome desde quando tinha apenas 15 anos de idade.

Segundo o G1, o Exército Brasileiro foi procurado para esclarecer sobre o que ocorreu, mas ainda não se posicionaram sobre o assunto. Ainda não foi identificado o responsável pela publicação e divulgação das fotos e dos dados pessoais da moça.

No entanto um registro de ocorrência foi feito na sexta-feira, 25, e o caso está sendo investigado.

No documento divulgado havia os telefones pessoais de Marianna e ela conta que está recebendo diversos telefonemas, alguns a elogiam, outros atacam a moça com palavrões. Ela explica que chegou para se alistar de manhã e em meia hora já estava saindo do local. Marianna revela que foi rápido e que saiu de lá sem ter sofrido qualquer comentário maldoso. Mas quando se aproximou das 14h ela começou a receber ligações de pessoas que queriam saber o nome em seu registro.

A jovem contou que o capitão pediu desculpas a ela pela imaturidade dos rapazes, pediu que os números dos seus telefones fossem trocados e deixasse o assunto ser esquecido. Apesar desses conselhos a adolescente diz que isso não resolveria o maior problema que são os seus documentos e endereço divulgados na web.

Marianna, quando mais nova, sofreu preconceito na escola, mas os seus pais sempre a apoiaram. A jovem disse ao G1 que toda pessoa transgênera tem seus estágios e que sofreu muitos problemas na escola quando ainda era homossexual.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Relacionamento

No ensino médio ela não concluiu o curso pelo preconceito de alguns colegas.

Após as ligações ofensivas começarem, a jovem procurou ajuda da mãe e juntas foram até a Junta de Serviços Militar para falar com o responsável sobre o acontecido. Por medo, Marianna não fica mais em sua casa, morando em casa de familiares ela teme por sua segurança.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo