Após longos e duradouros 78 dias, chegou ao fim a greve do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) em grande parte do país.

De acordo com o portal G1, o atendimento só será retomado na próxima semana. Segundo o sindicato, mais de 15 milhões de pessoas deixaram de ser atendidas durante o período da greve, fato que será compensando em um plantão de serviços que ainda será definido.

A paralização só teve fim após os grevistas cederem e aceitarem o reajuste proposto pelo Governo de 10,8%.

Publicidade
Publicidade

Esse aumento será pago em duas parcelas: uma primeira parcela em agosto do ano quer vem e a outras em janeiro de 2017.

Daqui para frente, os servidores deverão ter muito trabalho, pois todos os agendamentos que estavam previstos para o período que ocorreu a greve, foram remarcados pela central do INSS.

Após serem comunicadas a respeito do final da greve, muitos cidadãos já começaram a procurar os prédios do Instituto. Mesmo assim, as dificuldades ainda são encontradas, pois nesta semana o atendimento ainda se encontra fora do padrão.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Política

Os trabalhos só devem voltar ao normal na terça-feira da semana que vem, notícia que gerou uma certa expectativa nas pessoas, que acabaram por formarem filas nas agências.

Em São Paulo, algumas agências estão retomando a rotina e fazendo algumas perícias que já se encontravam agendadas, enquanto reagendam outras por causa da falta de equipe necessária para atender tamanha quantidade de pessoas. Nestes casos, os agendamentos estão sendo marcados para os próximos meses, como para outubro, novembro e dezembro.

Publicidade

No geral, a situação no estado ainda é caótica, com a maioria das agências tendo agendado a normalização de seus serviços apenas para a terça-feira da semana que vem.

Porém, alguns estados ainda continuam em greve e terão sua normalização decidida em assembleias, nas quais discutirão se aceitarão o acordo proposto pelo governo de aumento parcelado e abaixo do solicitado. As unidades federativas que se encontram nessa situação são Goiás, Espirito Santo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Roraima.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo