O Governo Federal lança ferramenta que buscará agressões e manifestações de ativistas nas redes sociais.Todo aquele que ofender com comentários abusivos os negros, as mulheres, os índios e a comunidade LGBT, estará sujeito a entrar no radar do Governo.

Atendendo a uma solicitação feita pela antiga Secretaria de Direitos Humanos (SDH), da Presidência da República, foi criado um serviço que tem o cargo de vasculhar e passar um pente fino automaticamente no Twitter, Facebook e Instagram, buscando por algum tipo de manifestação racista vindo de grupos ativistas.

Isso é uma forma de apoiar as vítimas de discriminação racial e agressões aos direitos humanos. O país não suporta mais tanto preconceito, tanto racismo contra pessoas inocentes, que nada fizeram para serem"apedrejadas".

O serviço foi criado pelo 'Laboratório de Imagem' (Labic), da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES), mas ainda está sendo testado. O monitor dos Direitos Humanos mostrará as mensagens todas reunidas juntamente com os links originais, preservando a identidade do autor.

Com a intenção de'conhecer o que está circulando publicamente', criou-se a referida ferramenta, segundo informações do SDH, juntando-se a outras duas pastas criadas em outubro, na reforma ministerial da presidente Dilma Roussef.

"Não serão todas as mensagens que indicarão crime de racismo ou ódio, vamos separar com muito critério o que caracteriza ameaça, 'empoderamento negro', intolerância à religiosos e expressão violenta aos negros", enfatizou Fábio Malini, coordenador do Labic.

Algorítimos farão a coleta, filtragem e amostra das mensagens. 15 programas iguais a esse estarão por trás monitorando e todos têm funções diferentes. Um desses programas recebeu o nome da jogadora de futebol Marta. Ele coletará o histórico do perfil no Twitter.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

'Somos Todos Taís Araujo'

A hestag foi criada para dar apoio a atriz Taís Araujo, que no final de outubro sofreu comentários racistas no Facebook, sendo esse tema o mais comentado no Twitter.Com intuito de não ter os resultados dominados por casos de grande repercussão, o Monitor filtrará as mensagens também por palavras-chave.

Segundo Mailini, o Monitor está previsto para ser entregue no final de novembro, de preferência até o dia 20, quando se comemora "O Dia da Consciência Negra".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo