A tragédia provocada pelo rompimento das barragens de rejeitos da mineradora Samarco em Mariana preocupa os moradores vizinhos de outras centenas de barragens semelhantes espalhadas por Minas Gerais.

O Estado admite que a estrutura de fiscalização é insuficiente, e especialistas apontam que a legislação também é falha. Exemplo disso, é uma barragem com toneladas de rejeitos que opera em Sabará (MG).

A barragem Cuiabá fica 6km acima do bairro Pompéu e os moradores estão com medo de continuar próximo à barragem. Depois do acidente com a barragem em Mariana, a defesa civil já fez a fiscalização em 3 barragens, das 11 existentes. O tenente Marcelo informou que a visita será constante, até terminar o período chuvoso.

A defesa civil fará um relatório que será encaminhado as empresas responsáveis pelas barragens, solicitando que seja fornecido para o órgão, o plano de contingência, que abrange toda a comunidade vizinha à barragem.

Para garantir a estabilidade das barragens é necessária uma auditoria anual, que é feito por empresas contratadas pelas mineradoras.

Depois da vistoria, a documentação é enviada para a FEAM, que fará a análise dos documentos.

A maior dificuldade hoje é que o setor especializado conta apenas com 4 funcionários e a fiscalização nas barragens só acontece quando o laudo apresenta alguma anormalidade.

Segundo o presidente da FEAM, Diogo Melo Franco, está sendo investido em processos de inteligência, para melhorar a gestão nas barragens de várias formas, incluindo novas técnicas de gestão, inclusive por imagens via satélite.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Natureza

De acordo com a FEAM, a auditoria apontou estabilidade da barragem Cuiabá, citada acima. Ainda com informações da FEAM, existem 48 barragens com instabilidade garantida.

A região metropolitana e a região central do estado, concentra as barragens sem estabilidade garantida que estão em 9 munícipios, segundo informações da FEAM. O presidente ainda afirma que terá uma cobrança extra que será feita pela fundação afim de garantir que a estabilidade das barragens seja melhor observada e melhor mantida.

Os donos de mineradoras que não entregarem a documentação com o plano de contingência, receberão uma notificação no âmbito da legislação ambiental, para que ele faça essa entrega e tenha prosseguimento na análise de forma adequada.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo