A Andrade Gutierrez prometeu falar e realizou um acordo com a força tarefa da Lava Jato e Procuradoria Geral da República. Serão ouvidos 11 executivos da empresa que farão delação premiada explicando como a empresa participou dos esquemas de Corrupção com o Governo Federal. A empresa admitiu o pagamento de propina na Eletronuclear (Angra 3), nas obras dos estádios da Copa do Mundo de 2014, Eletrobrás (Belo Monte) e Ferrovia Norte-Sul.

A multa que a empresa irá pagar já está definida em R$ 1 bilhão.

Atualmente, o Presidente Otávio Azevedo e outros doisexecutivos da empresa estão presos: Elton Negrão e Flávio Barra. A Andrade Gutierrez pode ter percebido que a maior parte dos esquemas de corrupção que participou já foram ou serão descobertos e por isso realizou o acordo para detalhar e apresentar provas daquilo que a força tarefa da Lava Jato ainda não conseguiu comprovação. Segundo o Jornal Estado de São Paulo, existem doissenadores que teriam recebido propina.

Fraudes na Copa do Mundo 2014

Em relação a Copa de 2014, todos os contratos que a empresa participou foram superfaturados, sendo os seguintes: 70% no Mané Garrincha em Brasília, 70% no Maracanã e 26% da Arena Amazônia. Nos dois primeiros estádios a Andrade estava atuando em consórcio com a Via Engenharia e Odebrecht, respectivamente. Em 2007 quando o Brasil foi anunciado como vencedor para sediar a Copa de 2014, o então presidente Lula disse que a estimativa de gastos nos estádios não seria maior que U$ 1,1 bilhão, aproximadamente R$ 2,6 bilhões.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Corrupção

Em janeiro de 2015 o Ministério do Esporte divulgou o balanço final da construção dos 12 estádios da Copa de 2014: R$ 8,333 bilhões sendo que R$ 3.815 bilhões foram investidos pelo BNDES.

A Andrade Gutierrez pode estar seguindo um caminho de recuperação e acerto de contas com a sociedade, assim como fez a Camargo Corrêa que também fechou um acordo de leniência e deve devolver em torno de R$ 800 milhões.

Por outro lado, deixa em situação delicada outras construtoras como Odebrecht, OAS e Queiroz Galvão que tem negado participação, mas faziam parte de alguns consórcios que a Andrade e Camargo admitem o pagamento de propinas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo