Chico Buarque tinha acabado de jantar na Rua Dias Ferreira, quando saiu para a sua caminhada habitual. Mais à frente, foi parado por um grupo de jovens de classe alta, incluindo o filho do empresário Álvaro Garnero, o ‘Alvarinho’, dono do Café de La Musque. O cantor foi questionado sobre seus discursos a favor do PT, e principalmente, sobre a carta que ele assinou se declarando contra o Impeachment da Presidente Dilma Rousseff, (PT).

“Vá morar em Paris, seu petista bandido”, retrucou um dos integrantes do grupo. “Penso que não seja bandido não, acho que quem é bandido mesmo, é o PSDB”, rebateu o cantor. Os ânimos se esquentaram e o bate-boca com várias acusações de cunho corruptivo foram direcionadas do grupo para Chico e do cantor para o grupo de jovens. Logo a balbúrdia entrou na questão do Impeachment da Presidente e o grupo protestante acusou o cantor de defensor de bandidos.

De acordo com o “Glamurama”, a resposta do músico à essa acusação foi direcionada a Revista Veja onde Chico disse que esse veículo de informação veicula notícias falsas e não tem credibilidade para tratar de assuntos políticos.

Antes da confusão, Chico Buarque participou de dois fatos proporcionados pelo escritor Fernando Morais e por Luiz Carlos Barreto, produtor de cinema. Ambos redigiram uma carta desaprovando o pedido de impeachment à Presidente, aceita pela Câmara dos Deputados, através do presidente Eduardo Cunha (PMDB).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo PT

A carta teve a assinatura e o apoio de Chico. “O voto secreto é uma afronta à democracia representativa, a própria não admite retrocessos como esse, os senhores estão querendo dar um golpe em nosso país.” Diz a carta.

Antes, no domingo, (20), Chico Buarque havia se reunido com Dado Villa-Lobos e Dani Black, para gravar a música “O trono do Estudar”, escrito por Dani em homenagem aos estudantes que estão fazendo protestos nas escolas do estado de São Paulo, inclusive ocupando algumas, contra o plano de reorganização escolar, proposto pelo Governo do Estado, sob o comando de Geraldo Alckmin (PSDB).

O próprio Alckmin, já havia anunciado o recuo com relação à decisão da reorganização escolar, que inclusive, fez por onde o Secretário de Educação pedisse demissão.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo