Após determinação da Justiça, uma liminar concedida determinou a volta do funcionamento do aplicativo WhatsApp em todo o Brasil, já nesta quinta-feira, dia 17, pouco mais de 12 horas de seu bloqueio inicial.

A razão do bloqueio do aplicativo

O motivo do bloqueio foi que o aplicativo deixou de atender uma ordem judicial ao qual solicitava do mesmo o repasse de mensagens a respeito de uma facção criminosa, que trocava informações pelo aplicativo. Esta determinação fora estabelecida no dia 23 de julho de 2015 e não havia sido cumprida até o presente momento. Novamente, o Facebook, empresa proprietária do aplicativo, havia recebido uma nova comunicação judicial no dia 7 de agosto e, novamente, não cumpriu com as determinações solicitadas pela Justiça.

Deste modo, o Ministério Público requereu o bloqueio do aplicativo.

As operadoras brasileiras foram, então, comunicadas do bloqueio, que deveria começar à 0h desta quinta-feira, dia 17, e se prolongaria por 48 horas.  A decisão do bloqueio foi expedida pela juíza Sandra Marques, da  Primeira Vara Criminal da cidade de São Bernardo, em São Paulo.

O desbloqueio do aplicativo ainda nesta quinta-feira (17)

Na manhã deste quinta-feira, uma liminar julgada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que o aplicativo voltasse a funcionar após o início do bloqueio. No despacho, o desembargador, responsável pelo julgamento do recurso, alegou que não constitui como aceitável o fato de que milhões de pessoas que fazem uso do aplicativo possam ser prejudicadas em virtude da falta de cooperação da empresa proprietária do mesmo.

Os melhores vídeos do dia

Continuando em sua considerações, o magistrado defende que o aumento da multa imposta à impetrante seja elevada em seus valores para que não exista um resistência relevante por parte da mesma.

De acordo com o Eduardo Levy, presidente do SindiTeleBrasil, as empresas cumprirão todas as ordens judiciais emanadas das autoridades, independentemente do fato de que isto possa vir a manchar a imagem de cada uma delas. As empresas estarão sendo notificadas da decisão judicial para pôr em prática o que a Justiça determinar.