Se vivo estivesse, o cantor Cristiano Araújo estaria completando 30 anos de idade neste domingo, 24 de janeiro. O sertanejo morreu em um grave acidente automobilístico há sete meses, quando retornava de um show.

A data foi lembrada por milhares de fãs nas redes sociais e no cemitério em Goiânia. Centenas de fãs depositaram balões, flores e cartazes na sepultura do cantor.Os pais e familiares do músico também fizeram homenagens nas redes sociais.

João Reis, pai do cantor, também publicou uma mensagem. “Há 30 anos fiquei a noite inteira acordado no hospital aguardando a sua chegada”, escreveu o pai.

Vários artistas também fizeram questão de prestar suas homenagens ao amigo, entre eles Humberto & Ronaldo e o cantor sertanejo Gabriel Gava.

A recepcionista Eliane Brandão que residia em Brasília se mudou para Goiânia afim de ficar mais próxima do túmulo de Cristiano Araújo.

“O sentimento não tem fim, é eterno, tentamos fazer com que seu aniversário não passasse em branco. Fizemos uma homenagem de uma forma simbólica, por é dolorido viver sem a presença dele”, disse a fã.

Vitor Leonardo, empresário do sertanejo que viajava com ele no momento do acidente, também manifestou sua solidariedade e fez um pedido. “Espero que um dia eu tenha a oportunidade de te encontrar novamente”, escreveu.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Famosos Música

MEMÓRIA

Cristiano Araújo e sua noiva Allana Moraes, foram vítimas de um acidente automobilístico na madrugada do dia 24 de junho de 2014, na cidade de Morrinhos. O condutor do veículo, Ronaldo Miranda, perdeu o controle da direção quando retornavam de um show em Itumbiara, na região sul do estado para Goiânia.

Estava também no veículo o empresário Vitor Leonardo, que juntamente com o motorista, sofreram apenas ferimentos leves e deixaram o hospital alguns dias depois do acidente.

Após investigação a Polícia indiciou Ronaldo por homicídio culposo.

INVESTIGAÇÃO

O processo continua tramitando na Justiça de Goiás e segundo os dados da “caixa preta”, a Range Rover trafegava a 179km/h num trecho onde a velocidade máxima seria de 110km/h.

O delegado que cuida do caso, Fabiano Henrique Jacomelis, informou que o inquérito concluiu que o condutor foi imprudente e negligente, mas não intencionalmente.

O delegado disse ainda que não ficou comprovado que o motorista tivesse ingerido bebida alcoólica.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo