Faltando poucas horas da convenção nacional do PMDB, a presidente Dilma Rousseff começa a descobrir quem não seguirá mais com ela nos próximos dias do governo. A legenda define oficialmente nesta terça-feira, 29, se irá ou não deixar Dilma. Antes disso, no entanto, Henrique Eduardo Alves decidiu abandonar o Ministério do Turismo. A informação foi confirmada no início da noite desta segunda-feira, 28, em uma carta assinada e enviada à presidente. De acordo com o jornal O Globo, o próprio Ministro disse que realmente se demitiu do cargo, mas preferiu não manifestar explicações sobre o que o levou a tomar tal decisão. 

A assinatura da demissão do Ministro do Turismo aconteceu após um dia muito tumultuado.

Dilma se reuniu com Ministros do PMDB e o vice-presidente, Michel Temer, também correu pelas beiradas, tomando a mesma decisão. É ele quem assume o governo no caso de Impeachment de Rousseff. Henrique Eduardo Alves era um dos sete Ministros de Dilma (do PMDB) mais próximos a Michel. No texto curto de sua carta de demissão, o agora ex-Ministro disse que toda a conversa com a presidente "se exauriu". 

Henrique explicou ainda que o que acontece hoje no Brasil o obrigou a escolher um caminho e que esse será a presidência com Michel Temer. Apesar da decisão, ele disse que a escolha não foi fácil, mas que no fim das contas acabou coerente e consciente. Henrique ainda agradeceu Rousseff pelo apoio e confiança no tempo em que ele ficou no cargo, pouco mais de onze meses. 

Além das reuniões com Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva, que está sendo usado como articulador do governo, também se reuniu com Michel Temer na noite deste domingo, 27.

Os melhores vídeos do dia

O vice-presidente teria dito ao ex-presidente que o atual quadro, do impeachment de Dilma, não tem mais como se reverter. No mesmo dia, Michel se reuniu com líderes peemedebistas de diversas regiões do país, onde teria ficado definido o rito da decisão de terça. Nessa reunião, Temer decidiu que não estará no congresso de terça. Já Lula, em entrevista à imprensa internacional, lamentou a saída do aliado.