O acordo entre o Governo federal e a mineradora Samarco será anunciado nesta quarta-feira (2), para que a empresa comece a ressarcir os prejuízos provocados após o rompimento da barragem de Mariana, em Minas Gerais, em novembro de 2015. Segundo a Folha de São Paulo, a mineradora terá de desembolsar R$ 4,4 bilhões até 2018, incluindo um aporte de R$ bilhões neste ano. A medida visa acelerar os trâmites para que os principais prejudicados não sofram tanto com o desastre.

Esta é somente uma parte do que foi combinado entre o governo e Samarco para que os danos sejam restaurados a médio e longo prazo, dado o tamanho da tragédia, a maior do gênero na história do Brasil. Até 2030, a mineradora deverá pagar aproximadamente R$ 18,8 bilhões para reconstruir a área - devastada principalmente pela lama - e investir em infraestrutura. O valor é um pouco inferior ao combinado anteriormente, já que especulava-se em um montante total R$ 20 bilhões de encargos para a empresa despender.

O estados de Minas Gerais, principal prejudicado pelo acidente ambiental, poderá desta forma ser recompensado de alguma maneira. O desastre não apenas desabrigou milhares de pessoas, como prejudicou direta ou indiretamente famílias em toda região. Com a lama e seus resíduos descendo por rios e afluentes, muitas cidades foram afetadas, comprometendo atividades econômicas e devastando o meio ambiente.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Natureza

Os detritos chegaram até o Espírito Santo, no dia 21 de novembro, 16 dias após o rompimento da barragem, e atingiram o mar. A densa mancha que se formou na costa passou a ser monitorada para que especialistas pudessem traçar uma estratégia para combater a poluição formada.

Com o projeto estabelecido entre o governo e a Samarco - mineradora comandada pela Vale e a BHP - a possibilidade de restaurar as zonas afetadas é grande.

Porém, apesar do otimismo, é necessário saber se a empresa cumprirá com todas as exigências propostas pelo governo federal. Para a Samarco, o acordo também é bastante oportuno, já que desde o rompimento da barragem não há atividades que possam ser executadas, com exceção aos trabalhos preventivos de manutenções contra uma possível piora da situação de Mariana e arredores. Dar suporte aos desabrigados e recuperar o meio ambiente e é de suma importância nesta fase da operação.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo