O juiz federal Sergio Moro é o responsável pelos processos da Operação Lava Jato e tem estado à frente de todas as fases até agora, nas quais muitos acusados já foram, inclusive, presos. Mas agora, o juiz passa de acusador a acusado, pois ele é alvo de 12 representações no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), todas pedindo que haja uma investigação sob a conduta do juiz no caso, se ele cometeu infrações disciplinares.

As referidas ações, em sua maioria (mais precisamente nove delas) dizem respeito às gravações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff, que foram interceptadas e divulgadas, tendo sido esse ato, considerado ilegal. As ações restantes dizem respeito à atuação do juiz de forma geral.Parte dessasações foram movidas por advogados de todas as partes do país, por sindicatos e por um representante do Partido dos Trabalhadores.

Na última terça-feira (22) foi protocolado por 14 senadores o pedido de apuração mais recente. Desses 14, três estão sendo investigados no Supremo Tribunal Federal (STF): Gleisi Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ). Essa ação faz duras críticas a Moro, dizendo que a partir de um determinado momento a operação passou a ser conduzida de forma midiática e "espetacularizada" e que o juiz tende a ser seduzido pela "fama" e que dialoga com o segmento social que não está satisfeito com o atual governo e que, ao invés de tentar apaziguar e acalmar os ânimos, faz justamente o contrário.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Lula

Os acontecimentos que levaram à maioria das ações contra o juiz Moro

Despachos do juiz Sergio Moro, entre 19 de fevereiro e 7 de março, autorizavam grampos telefônicos em 39 números telefônicos, que direcionam a 13 pessoas e entidades ligadas ao ex-presidente Lula. Cada interceptação tinha prazo de duração: 15 dias e depois seriam prorrogadas por mais 15. O filho de Lula, Fabio Luis Lula da Silva, diretores do Instituto Lula, um advogado do ex-presidente e um dos proprietários do sítio em Atibaia e mesmo o caseiro do sítio, todos estavam grampeados.

Acontece que, no dia 16 de março, às 11h13 houve o registro de um despacho de Moro determinando que os grampos fossem interrompidos. Mas o registro que foi divulgado, da conversa entre Lula e Dilma e o qual faz menção a um documento, que seria o da posse de Lula no ministério, ocorreu mais de duas horas após o juiz ter mandando interromper as gravações, às 13h32, o que torna essa referida gravação, ilegal - isso dito, inclusive pelo jurista Gustavo Badaró,professor de Processo Penal da USP: “se havia um despacho dele mesmo mandando cessar as interceptações, qualquer gravação feita depois disso é ilegal.”

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo